PL do silêncio positivo tem assinaturas para entrar em regime de urgência, diz Lippi

Deputado federal Vitor Lippi (PSDB/SP)

O deputado Vitor Lippi (PSDB/SP), um dos autores do Projeto de Lei nº 8.518/2017, que altera a Lei das Antenas (nº 13.116/2015), afirma que a proposta já está sendo encaminhada para entrar na pauta da Câmara. O parlamentar afirma ter já assinaturas suficientes para que o PL seja colocado em votação no regime de urgência. A ideia é permitir a modernização da legislação, sobretudo com a aprovação tácita (silêncio positivo) da instalação das antenas, antes da realização do leilão de 5G. 

Durante live promovida pelo SindiTelebrasil em parceria com o portal Jota nesta sexta-feira, 21, Lippi informou que o PL já passou pelas respectivas comissões e agora estaria avançando. "Encontramos acordo no Parlamento. A situação é que nós já temos a assinatura de número suficiente de líderes dos partidos para que ele [o projeto de lei] para a condição de ser votado em regime de urgência. Estamos conversando com o nosso presidente Rodrigo Maia (DEM/RJ) para entrar na pauta do plenário." O deputado lembra que o projeto não traz nenhum gasto para o poder público, o que poderia facilitar a tramitação.

Diferente do decreto proposto pelo governo (e cuja minuta já estaria na Casa Civil), o mecanismo de silêncio positivo no PL traz prazo de 90 dias para que municípios se manifestem – antes, o prazo estipulado era de 60 dias. Segundo o parlamentar, a aprovação seria em caráter precário, permitindo uma segurança jurídica e evitando problemas de conflito de competência e autonomia. Esses foram os argumentos para o veto ao mecanismo da aprovação tácita, considerado inconstitucional pela então presidenta Dilma Rousseff na aprovação da Lei das Antenas, em 2015. "Encontramos a saída de que a autorização não é permanente, é provisória. Lógico que vai funcionar normalmente, se não houver questionamento", justifica.

Notícias relacionadas

Lippi argumenta que "os municípios entenderam" que seria importante ter essa segurança para a rápida cassação não onerosa à administração pública da autorização no caso de infringir alguma norma ou legislação local.

O PL 8.518 teve apensado o PL 4.566/2019, de autoria do deputado João Maia (PL/RN). Esse texto propõe, além de elementos semelhantes do silêncio positivo e a possibilidade de revogação da autorização precária presentes na matéria de Lippi e do deputado Odorico Monteiro (PSB/CE), a permissão à operadora de apresentação de recurso administrativo com efeito suspensivo no caso de perda dessa licença provisória. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.