Silêncio positivo será tema de audiência pública na CDU da Câmara

Foto: Pixabay

A Comissão de Desenvolvimento Urbano (CDU) da Câmara dos Deputados aprovou o Requerimento 57/2019, dos deputados Samuel Moreira (PSDB-SP), Joseildo Ramos (PT-BA) e Vitor Lippi (PSDB-SP), que pede a realização de audiência pública para debater o PL 8.518/2017, do deputado Vitor Lippi (PSDB-SP) e o seu apensado, o PL 4.566/2019, de autoria do deputado João Maia (PL-RN). Os dois projetos propõem alterações na Lei 13.116/2015 (Lei Geral das Antenas) para incluir a aprovação tácita (silêncio positivo) de instalação de antenas nas áreas urbanas. A previsão é de que a audiência pública aconteça no dia 31 de outubro.

Os parlamentares alegam que é urgente e necessário debater o processo de instalação de antenas nas áreas urbanas por conta do aumento da demanda de serviços de telecomunicações. Eles dizem que, ao mesmo tempo em que é preciso ter agilidade ao processo de autorização da instalação dessas infraestruturas, deve-se preservar o pacto federativo, respeitando a reserva de competência dos municípios.

Notícias relacionadas

Foram convidados para a audiência um representante da Anatel; dois representantes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC): o Secretário Executivo, Júlio Semeghini, e o Secretário de Telecomunicações, Vitor Elisio Menezes; um representante da Confederação Nacional de Municípios; Jonas Donizette, prefeito de Campinas (SP); o presidente-executivo do SindiTelebrasil, Marcos Adolfo Ribeiro Ferrari; um representante da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint); Leonardo Menezes, professor da Universidade de  Brasília; um representante da Associação Brasileira de Municípios; e um representante do Ministério Público.

Os projetosde lei

O PL 8.518/2017, de Vitor Lippi, acrescenta os §11 e §12 no art. 7º da Lei 13.116/2015. O §11 diz que o órgão regulador responsável por autorizar a instalação da infraestrutura de telecomunicações concederá, de maneira precária, uma licença para a empresa realizar a instalação da infraestrutura de telecomunicações respeitando as condições mencionadas no requerimento apresentado e seguindo as regras estipuladas em lei municipal e nas normas técnicas pertinentes. Essa licença precária será concedida caso o órgão responsável ultrapasse o prazo de 60 dias para emitir a autorização definitiva de instalação da antena.

O §12 diz que, caso a infraestrutura de telecomunicações esteja em desconformidade com algum regramento, o órgão competente encaminhará ao órgão regulador o pedido de revogação da autorização precária, acompanhado da exposição dos motivos que fundamentam a decisão, cabendo ao órgão regulador revogar a autorização no prazo de até 15 dias úteis do recebimento do requerimento. Já o PL 4.566/2019, do deputado João Maia, acrescenta os §11, §12 e §13 no art. 7º da Lei das Antenas. Os §11 e §12 possuem o mesmo teor dos parágrafos apresentados no projeto de Lippi. Já o §13, permite à operadora apresentar recurso administrativo com efeito suspensivo no caso da perda de licença precária.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.