OUTROS DESTAQUES
Serviços móveis
TIM quer se desvencilhar de participação na Brasil Telecom
sexta-feira, 12 de julho de 2002 , 19h32 | POR REDAÇÃO

A estratégia da Telecom Itália para conseguir se liberar a prestar serviços móveis em todo o território nacional começa a aparecer. Nesta sexta, dia 12, o Minicom repassou à Anatel um requerimento feito pelas empresas TIM Celular Centro-Sul S.A., Portale Rio-Norte S.A. e Portale São Paulo -S.A. em que argumentam que a TIM não controla nem é controladora ou coligada da concessionária Brasil Telecom.
Segundo fontes próximas, uma das estratégias da Telecom Itália é provar que a participação que tem na BrT é de menos de 20% e que, portanto, a TIM (que também tem como acionista a Telecom Itália) não seria diretamente controladora da concessionária fixa. O Minicom repassou o pedido à Anatel. Por enquanto, a Anatel tem olhado apenas para a participação que a Solpart (onde está a Telecom Itália) tem na Brasil Telecom, mas a empresa italiana quer mostrar que sua fatia nesta empresa não justificaria a proibição de prestar serviços móveis através da TIM. O requerimento da TIM ao Minicom é datado de 20 de junho de 2002.
A Telecom Itália, através da Stet International, participa com 37,29% das ações ordinárias da Solpart Participações, que por sua vez tem 53,45% das ordinárias da Brasil Telecom Participações S.A., o que dá uma participação pouco inferior a 20% da operadora italiana na brasileira.
A TIM é operadora de celular em diversas regiões e está pronta para entrar em operação com seu serviço de SMP, dependendo apenas do sinal verde da Anatel, que busca uma forma de fazer isso sem ferir a legislação, já que a Brasil Telecom não antecipou suas metas.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
Top