AGU e Senado defendem direito de passagem no STF

Questionada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em ação no Supremo Tribunal Federal (STF), a vedação de cobrança de direito de passagem para infraestrutura de telecomunicações por cidades e municípios instituída pela Lei das Antenas (13.116/2015) recebeu manifestações favoráveis da Advocacia-Geral da União (AGU) e do Senado Federal.

Os posicionamentos foram enviados ao STF após solicitação do ministro Gilmar Mendes, relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6482 protocolada pela PGR. Nela, o órgão questiona a proibição da cobrança do direito de passagem por entes federativos criada pelo art. 12 da Lei das Antenas e pede uma cautelar contra o dispositivo.

Tanto o Senado quanto a AGU se opuseram ao entendimento. Segundo o órgão jurídico do Executivo, a vedação da cobrança por municípios e estados não afronta o pacto federativo, uma vez que a responsabilidade para legislação e regulação do setor de telecomunicações é da União. O órgão também caracterizou os serviços de telecom como públicos e essenciais, o que garantiria tratamento diferenciado.

Notícias relacionadas

Investimentos

Ainda foram incorporados à contribuição da AGU subsídios do Departamento de Banda Larga do Ministério das Comunicações. Entre eles, o entendimento que "caso se permita a cobrança pelo uso de faixas de domínio, as empresas teriam ainda menos motivos para se dedicar aos locais em que há menor interesse econômico para a exploração do serviço de telecomunicações".

A mensagem do departamento ainda lamentou a "criatividade" de estados como Paraná e Minas Gerais ao criarem taxas de análise e taxas de fiscalização para sustentarem cobranças anuais, ao passo que o Espírito Santo seria a única unidade federativa a contar com lei estadual aderente à Lei das Antenas. Além de torres de telecom, o direito de passagem também dispõe sobre redes de fibra ótica.

Senado

O Núcleo de Assessoramento e Estudos Técnicos do Senado utilizou argumentos semelhantes ao da AGU, questionando ainda o pedido de cautelar contra o direito de passagem gratuito solicitado pela PGR.

"Não se harmoniza com arranjo institucional federativo constitucional incumbir à União a regulamentação das telecomunicações em todo o País, a fim de conferir lhe tratamento uniforme, e permitir que cada estado da federação trate de forma diversa o direito de passagem, com a potencialidade de, mediante legislação regional, produzir incentivos diversos – ou mesmo contrários – à política nacional implementada", pontuou a nota da Casa legislativa.

DNIT

Há uma semana, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) editou decreto no qual regulamentou o uso, sem ônus, das faixas de domínio de rodovias federais por empresas de telecom. A medida não afeta área detidas por estados e municípios.

No momento, o Ministério das Comunicações também trabalha ao lado da AGU e da pasta da Infraestrutura em um decreto para regulamentar dispositivos da Lei das Antenas como o direito de passagem; não está claro se a pasta aguarda os desdobramentos da ADI no STF para publicar as diretrizes, há muito aguardadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.