Ministro das Comunicações reconhece atraso na implementação do 5G

Ministro das Comunicações Fábio Faria em entrevista ao SBT. Foto: Reprodução

[Publicado no Mobile Time] O ministro das Comunicações, Fabio Faria, reconheceu que o Brasil está atrasado com o 5G. No entanto, acredita que a demora é menor, na comparação com a instalação da geração anterior das redes celulares, LTE: "No 4G, nós (Brasil) saímos com um pouco de atraso. No 5G, estamos saindo não tão atrasados. Somos o segundo país da América Latina, depois do Chile, a implementar a tecnologia do 5G", disse nesta terça-feira, 10, durante participação no MediaTek Mobile Latam Congress 2021.

Em mensagem gravada para o evento, o ministro defendeu o 5G standalone (SA) para a Internet das Coisas (IoT) funcionar em sua plenitude no Brasil. Além disso, enfatizou que o Tribunal de Contas da União (TCU) votará a revisão da minuta do edital do leilão no dia 18 de agosto para a Anatel publicar o edital em seguida.

Faria não abordou as ressalvas, incertezas e mudanças pedidas pela área técnica do TCU, conforme reproduzido por esta publicação na última segunda-feira, 9. Também não falou do pedido de exclusão da rede privativa do governo e do PAIS (que pretendia levar infraestrutura óptica à região amazônica) por violações à Lei Geral da Telecomunicações (LGT).

Notícias relacionadas

O representante do governo citou um dado recente da Nokia que estima que R$ 1,2 trilhão serão movimentados com 5G em dez anos no Brasil, além de um crescimento de 20% ao ano no PIB do agronegócio.

Beauty contest

Faria disse que, até aqui, o maior desafio do leilão foi convencer o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a equipe econômica chefiada pelo ministro Paulo Guedes a não fazer um leilão arrecadatório, mas um certame do 5G voltado ao retorno de investimento para o setor de telecomunicações.

"Se nós tivéssemos um leilão, que vamos estimar em R$ 44 bilhões, e esse dinheiro entrasse para o Governo Federal, nós teríamos dificuldades nos próximos dez anos de trazer para o Brasil todos esses investimentos que o setor precisa. São 40 milhões de brasileiros sem Internet ainda. Como faremos o leilão não arrecadatório, vamos conseguir definir todas as políticas públicas e elas serão cumpridas", afirmou o ministro.

Vale dizer, o parecer da área técnica do TCU estima que o valor total do edital é de R$ 45,6 bilhões, sendo que o preço mínimo da soma de todos os lotes é R$ 8,68 bilhões e o restante (R$ 37,1 bilhões) vem em contrapartidas. Desse valor há a reserva de recursos para obras da rede privativa de comunicação (R$ 1 bilhão), a obra da rede do Programa Amazônia Integrada e Sustentável (R$ 1,5 bilhão) – ambas com a exclusão sugerida pela área técnica – e a limpeza da faixa de 3,5 GHz (R$ 4,1 bilhões).

Ou seja, o restante, R$ 30,5 bilhões, previsto nos investimentos obrigatórios, vai para as metas de cobertura de todas as faixas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.