Publicidade
Início Newsletter Cronograma ‘correto’ para 5G foi principal pleito da Ericsson para Planalto

Cronograma ‘correto’ para 5G foi principal pleito da Ericsson para Planalto

Eduardo Ricotta, da Ericsson

Além de anunciar a intenção de aportar R$ 1 bilhão no Brasil durante os próximos cinco anos de olho no potencial do 5G, a Ericsson aproveitou uma visita de cortesia feita nesta semana ao presidente da República, Jair Bolsonaro, para destacar a importância de um “cronograma correto” para o leilão de espectro para quinta geração.

“Se postergar demais, o Brasil fica para trás, o que seria ruim para o País”, pontuou o presidente da Ericsson Latam Sul, Eduardo Ricotta, em conversa com este noticiário. “Há todo um impacto na inovação. Dou o exemplo do Spotify, que só foi criado porque alguém viu que na rede 4G era possível fazer streaming de música, além de outras plataformas, como o Uber. No 5G [o impacto] vai ser igual, chegando em áreas como o agro e telemedicina”.

“Nós já estamos defasados em relação a alguns países“, prosseguiu Ricotta. Segundo o executivo, mesmo na América Latina há chance do Brasil ter um gap em relação aos vizinhos. “Se há possibilidade de alguém lançar antes é o Uruguai, porque as licenças estão andando mais rápido do que aqui”. Lá, uma rede comercial da estatal Antel já chegou a ser lançada, mas com cobertura reduzida.

Notícias relacionadas

A Ericsson ainda reiterou que a criação da linha de montagem 5G em São José dos Campos vai atender toda a América do Sul; a previsão é que a compra de maquinários leve de seis a oito meses. “Teremos várias linhas de produção, porque têm frequências que preciso [de produtos para suprir] na América Latina, mas que não uso no Brasil”, explicou Ricotta. No Uruguai, por exemplo, o 600 MHz é uma das opções consideradas para o 5G, mas que no Brasil não será utilizada.

“E não vamos produzir só rádio, mas core 5G também”, completou o presidente da fornecedora sueca para Latam Sul. De acordo com Ricotta, a atuação da Ericsson no Brasil (onde a empresa completou 95 anos de presença em 2019) é uma exceção dentro do País, visto que 40% do produzido em solo brasileiro tem a exportação como destino, em patamar mais elevado que a média nacional.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile