Para Euler, 5G não deve exigir mudanças na neutralidade de rede

A chegada do 5G ao Brasil não deve exigir mudanças no conceito de neutralidade de rede previsto no Marco Civil da Internet sob justificativa de habilitar novos modelos de negócios. Essa é a avaliação do presidente da Anatel, Leonardo Euler.

"A engenharia de tráfego não pode ser pré-concebida como ofensa ao princípio da neutralidade", afirmou Euler nesta segunda-feira, 24, durante o primeiro dia do evento TELETIME Tec.

O presidente da Anatel destacou que funções como a priorização de tráfego são intrínsecas ao 5G e fundamentais para habilitar práticas como o fatiamento de rede (network slicing). "[Há dúvidas] se o princípio de neutralidade de rede poderia de alguma forma impor restrições. Eu entendo que não", manifestou Euler.

Notícias relacionadas

Ainda que a opinião do presidente seja apenas um indício de futuro posicionamento da agência sobre o tema, o diretor de engenharia de rede da TIM, Marco di Costanzo (também presente no debate), classificou a postura como "alentadora". Isso porque a empresa é uma das que entende que a neutralidade de rede e o 5G poderiam entrar em choque.

Vale notar que o governo federal tem intenção de realizar alterações no Marco Civil da Internet. As possíveis mudanças, contudo, são relacionadas com regras para operação de redes sociais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.