CGI analisará minuta de decreto que cria regras de controle às redes sociais

Foto: Hebi B. /Pixabay

O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGi.Br) decidiu em sua reunião mensal do pleno, na manhã desta sexta-feira, 21, pela criação de um grupo de trabalho multissetorial para analisar a minuta de decreto do governo Bolsonaro que propõe alterações nas regras de moderação de conteúdo no Marco Civil da Internet e prevê punições para provedores de aplicações. Especialistas já apontaram uma série de irregularidades no documento.

Além disso, o CGI pediu para ser ouvido pelo governo sobre o assunto, fazendo valer a previsão no próprio Marco Civil da Internet, que diz que a entidade tem de ser ouvida nos assuntos referentes ao uso da Internet no Brasil. O pedido ainda não foi oficializado, o que poderá acontecer nas primeiras horas após o fim da reunião, ou no começo da semana que vem.

O decreto circula na Esplanada desde o dia 13 de maio e alguns conselheiros tiveram conhecimento dele somente há dois dias, pelos meios de comunicação. Na reunião desta sexta-feira do colegiado, MCTI e MCom, dois ministérios para os quais o decreto foi endereçado para análise, não trouxeram informações sobre o texto ao pleno do Comitê. O governo foi então questionado por conselheiros de outros setores.

Notícias relacionadas

Na última quarta-feira, 19, o Ministério do Turismo elaborou uma minuta de decreto com uma série de mudanças no Marco Civil da Internet. A principal delas é a previsão de que os conteúdos disponibilizados em provedores de aplicações só poderão ser retirados mediante decisão judicial, única e exclusivamente. Ou seja, as plataformas não podem ativamente bloquear usuários ou remover conteúdos, com poucas exceções.

O texto também prevê punições para quem descumprir a orientação, como multas, advertência, suspensão temporária das atividades e até proibição do exercício das atividades no Brasil. A proposta outorga à Secretaria Nacional de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual da Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, liderada pelo secretário Mario Frias, a fiscalização e a apuração de infrações praticados por provedores de aplicações de Internet a conteúdos e contas protegidos por direitos autorais. Segundo a exposição de motivos da minuta, a ideia seria fortalecer a defesa dos direitos e garantias dos conteúdos dos usuários. Na prática, conforme especialistas, adiciona barreiras e burocracia na remoção de conteúdos danosos e fake news, bem como de perfis que promovem esses tipos de mensagem.

2 COMENTÁRIOS

  1. O problema é que a linha que separa fakenews de opinião é muitas vezes tênue e subjetiva. E quem arbitra? O dono da rede? Sites autointitulados checadores de notícia? Também são movidos a opiniões e a posições político-ideológicas.

    • Mas essa linha tênue não pode servir para balizar todos os demais casos, incluindo os facilmente contestáveis por fatos, como os de comprovação científica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.