Anatel estuda espectro e segurança jurídica para redes privadas 5G

Ciente da demanda das verticais da economia por espectro que permita a operação de redes privadas (Serviço Limitado Privado, ou SLP), a Anatel está estudando uma série de faixas que poderiam ser alocadas para a finalidade, bem como uma maneira de garantir "segurança jurídica" no acesso à radiofrequência em caráter secundário.

Durante o evento online TELETIME Tec realizado nesta segunda-feira, 22, o superintendente de outogas e recursos à prestação da Anatel, Vinicius Caram, citou uma série de frequências cujo uso para redes privadas é considerado. Entre as faixas em estudo estão o 3,7-3,8 GHz e o 27,5-27,9 GHz. Em ambos os casos, contudo, o entendimento é que a inclusão no primeiro certame 5G (que ocorrerá possivelmente no ano que vem) é inviável.

Notícias relacionadas

No caso do 3,7-3,8 GHz, a destinação para usos indoor dependeria de interlocução com o setor satelital, incumbente da frequência; de acordo com Caram, uma consulta pública sobre o tema pode ocorrer a partir de julho ou agosto. Já o 27,5-27,9 GHz (ou acima da faixa de 26 GHz cujo leilão está encaminhado) ainda precisa atravessar a definição de requisitos para uso no SLP.

Caram lembra que entre os 3,2 GHz em 26 GHz a serem disponibilizados já no próximo certame, há possibilidade de usos industriais a partir de redes fixas sem fio (FWA). O superintendente ainda mencionou que 10 MHz em 2,3 GHz também podem abrigar redes privadas, bem como as faixas de 1,5 GHz e 4,8 GHz, futuramente.

450 MHz e 850 MHz

O grande interesse das verticais, contudo, é nas faixas de banda baixa, ou abaixo de 1 GHz. Neste caso, o cenário é um pouco mais complexo e envolve tanto as faixas de 450 MHz ou de 850 MHz.

Após declarar na última semana que um refarming da faixa de 850 MHz é considerado pela Anatel agora que a questão da renovação dos direitos de uso pelas teles está pacificada com a regulamentação do novo modelo (Lei nº 13878/2019), Caram pontuou que, onde o espectro está ocioso, o uso pela indústria é uma possibilidade.

"Há mais de mil municípios com banda A e B ociosa. Então queremos, de forma muito segura, se a operadora [incumbente] não quiser fazer uso desse espectro que ela detém, que ele possa ofertado para indústria ou agro em caráter secundário", afirmou.

Já no caso do 450 MHz, a pendência ainda seria a decisão definitiva do Conselho Diretor da agência sobre a retomada ou não da faixa. A depender da alternativa, ela poderia ser relicitada ou também concedida em caráter secundário.

Caráter secundário

Ainda assim, como já pontuado por diferentes associações da indústria (e reiterado pela Neoenergia durante o TELETIME Tec), o uso secundário não é visto como opção ideal pelas verticais, sobretudo em missões críticas ou em casos que exigem grandes investimentos.

Neste ponto, Vinicius Caram afirma que uma tomada de subsídios sobre o Regulamento de Uso de Espectro (RUE) pode endereçar o problema. Segundo ele, entre as alterações que podem ser realizadas está a autorização do uso em caráter secundário em um prazo maior, para dar mais segurança às verticais da indústria.

O grande interesse dos demais setores da economia é pela possibilidade de licenças para uso primário do espectro, em modelo que garantiria mais autonomia. Ainda assim, o entendimento é que tanto essa alternativa quanto a de redes compartilhadas ou contratadas de operadoras devem coexistir.

Fornecedores

Head de tecnologia da Nokia na América Latina, Wilson Cardoso observou que a adoção do 3,7-3,8 GHz e da banda de 28 GHz casaria muito bem com o espectro alocado para indústrias em outros lugares do mundo, evitando que o Brasil tenha uma "jabuticaba" na área. "A discussão do ecossistema [de equipamentos] é fundamental", afirmou o executivo.

Já o vice-presidente de redes e serviços gerenciados da Ericsson, Marcos Scheffer, destacou como positiva a possibilidade de reutilização do 450 MHz para projetos de verticais, sobretudo em missões críticas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.