Anatel cancela acordo com Fundação Lemann para escolas conectadas

Foto: Pexels

Foi cancelada a parceria entre a Anatel e a Fundação Lemann assinada no começo deste mês. Em circuito deliberativo, o Conselho Diretor da agência decidiu por maioria (quatro votos a um) extinguir o acordo de cooperação técnica nº 13/2021, com efeito imediato. A decisão, sob justificativa de "interesse público", foi tomada em circuito deliberativo e foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 18. 

Os motivos foram esclarecidos em memorando apresentado pelo conselheiro Vicente Aquino em seu voto, no qual alegou haver sobreposição de esforços em relação às atribuições do Grupo de Acompanhamento do Custeio à Projetos de Conectividade de Escolas (GAPE), que será constituído em até 15 dias corridos a partir da homologação dos contratos do leilão; e da Entidade Administradora da Conectividade de Escolas (EACE), criados com o leilão do 5G na faixa de 26 GHz. Além disso, teria havido uma falta de comunicação oficial, por parte da presidência da Anatel (ainda sob tutela de Leonardo Euler na época), sobre a efetivação do ACT. 

Ou seja, a justificativa pela extinção do acordo é que ele seria redundante às atividades que seriam executadas pelo GAPE, ainda mais porque haveria competência superior no grupo, capitaneado pelo Ministério da Educação. O acordo da Fundação Lemann estabelecia a coordenação dos trabalhos para a própria gerência de conectividade e de sua filial Escolas Públicas no Mundo Digital (EPMD), enquanto para a Anatel ficaria delegada Superintendência de Planejamento e Regulamentação (SPR)

Notícias relacionadas

Há ainda uma questão de recursos humanos: o acordo trazia como compromisso o trabalho conjunto com servidores indicados pela Anatel, inclusive com pessoal próprio para a execução do trabalho, e com a incumbência de prover apoio técnico e logístico. "Considerando nosso limitado quadro de servidores, muito provavelmente aqueles que prestarão apoio ao GAPE seriam os mesmos que se dedicariam aos trabalhos afetos ao Acordo de Cooperação. E isso poderia causar prejuízo às atividades finalísticas da Anatel", declarou Aquino no documento.

Consultada, a Procuradoria Federal Especializada (PFE) não viu problemas na possibilidade de dissolução do acordo a qualquer tempo. E uma das cláusulas do próprio termo previa a extinção por meio de denúncia da desistência, desde que comunicada formalmente e com pelo menos 60 dias antes do fim das atividades. Porém, o entendimento do conselheiro é que as atividades sequer foram iniciadas pela Fundação Lemann e, por isso, seria prejudicial esperar esse período, uma vez que não haveria tempo suficiente para conclusão e, novamente, seriam atividades em duplicidade com o GAPE. 

Manifestações

Em seu voto contra a maioria, Emmanoel Campelo entendeu que não havia "informações precisas e suficientes, até o momento, da prejudicialidade na continuidade dos trabalhos do acordo de cooperação técnica". Ele ressaltou que o Gape ainda não foi constituído, e que a EACE, que auxiliará o grupo, só será constituída 90 dias depois disso. "Em função disso, entendo ser possível, e necessário, cumprir o prazo de antecedência para o encerramento das atividades relacionadas ao ACT", frisou o conselheiro. 

Campelo ainda manifestou que os motivos pelos quais foi signatário do projeto eram suficientes para ser favorável à continuidade dos trabalhos, entendendo haver interesse público e da Anatel. Para ele, o diagnóstico do ACT seria "mais amplo do que o escopo do próprio GAPE", e que a extinção prejudicaria não apenas o próprio grupo, mas também a elaboração de futuros projetos de conectividade nas escolas.

TELETIME procurou a Fundação Lemann, que enviou o seguinte posicionamento sobre a extinção do acordo:

No dia 28 de outubro de 2021, a Fundação Lemann e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) celebraram acordo de cooperação técnica para intercâmbio de dados e informações com o objetivo de contribuir para a universalização do acesso à internet para escolas públicas brasileiras. 

Em um primeiro momento, a parceria entre Fundação Lemann e Anatel incluiu a colaboração para aprimoramento dos dados de geolocalização de escolas e análises relevantes para o estudo Crowdsourcing for Brazil's Digital Connectivity (C2DB) feito pela Anatel em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). No dia 17 de novembro, o Conselho Diretor da Agência concluiu por descontinuar o acordo nesse momento. 

A Fundação Lemann segue colaborando com a Anatel e outras instituições que atuam na promoção da conexão das escolas públicas brasileiras e produzindo dados e pesquisas sobre o tema.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.