Publicidade
Início Newsletter PT e Rede recorrem ao STF para salvar fundos públicos da desvinculação

PT e Rede recorrem ao STF para salvar fundos públicos da desvinculação

Foto Cristiano Mariz

O Partido dos Trabalhadores e a Rede Sustentabilidade apresentaram nesta terça-feira, 16, uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), com pedido de liminar, contra a Emenda 109/2021, originada a partir da promulgação da PEC Emergencial (PEC 186/2019). As legendas partidárias querem que seja declarado inconstitucional o art. 5º da emenda 109/2021, que prevê a possibilidade de o governo usar o superávit dos recursos dos fundos públicos para pagamento da divida pública. O líder do PT no Senado, senador Paulo Rocha (PT-PA), disse que o remédio constitucional poderia ser usado para garantir que os recursos dos fundos públicos não fossem desvinculados.

Na ação, PT e Rede pedem que o Supremo Tribunal Federal (STF) declare, em sede de liminar, a inconstitucionalidade do § 2º do mencionado dispositivo, já que o texto promulgado está em desacordo, segundo as legendas, do texto que foi aprovado no Senado e que seguiu para votação na Câmara, indo de encontro à vontade do legislador de garantir a vedação da desvinculação dos recursos de alguns fundos públicos para pagamento da dívida pública.

Originalmente, este parágrafo fazia remissão a um inciso que foi suprimido do texto da PEC, quando esta estava em votação em primeiro turno na Câmara. Os deputados aprovaram destaque do PDT, que pedia a supressão do inc. IV do art. 167 da proposta que estava em debate. O dispositivo garantia que alguns fundos não seriam afetados pela desvinculação prevista no art. 5º.

Notícias relacionadas

Com a supressão, do trecho do art. 167, ficou uma dúvida se a redação do § 2º do art. ainda seria mantida, ou retirada na redação final quando a PEC fosse para promulgação. Em comunicado do plenário, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, disse que o trecho seria mantido tal qual estava, porque ele dialogava com o atual inv. IV do art. 167, atualmente em vigor na Constituição Federal.

Interpretação equivocada

Em documento enviado ao presidente do Senado, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), Paulo Rocha afirmou que essa interpretação apontada por Lira é equivocada. “Note-se que, quando o Senado aprovou essa redação, o inciso IV do art. 167 da Constituição Federal era aquele que estava sendo modificado pela PEC 186, isto é, um dispositivo com inúmeras exceções, todas elas negociadas e acordadas entre os senadores. Na ocasião diversos fundos foram poupados dos efeitos da PEC”, disse o senador petista no documento.

Da forma que está previsto na Emenda Constitucional 109/2021, os fundos que estavam salvaguardados no inciso removido poderão ter o superávit de seus recursos usados pelo governo. E isso inclui fundos importantes como o Fundo Nacional de Cultura, o Fundo de combate às Drogas e o Fundo Penitenciário, por exemplo. Fust e Fistel também estavam com seus recursos parcialmente salvaguardados da desvinculação. Mas com o caput do art. 5º da emenda constitucional em vigor, também podem ter seus recursos desvinculados.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile