Publicidade
Início Newsletter Supremo nega ação do PSB e diz que Anatel pode regular relação...

Supremo nega ação do PSB e diz que Anatel pode regular relação entre operadoras e SVA

Foto: Fellipe Sampaio /SCO/STF

Foi publicado nesta quinta-feira, 9, decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luis Roberto Barroso negado conhecimento à arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) proposta pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) em 2018, questionando a legalidade da atuação regulatória da Anatel em face de prestadores de serviços de valor adicionado (SVA).

Segundo Barroso, o pedido não se atém à ótica dos preceitos fundamentais, e sim a uma análise de legislação infraconstitucional. “A ofensa à Constituição Federal, se verificada, seria apenas reflexa (indireta), o que impede o conhecimento da ação. Esta Corte tem rechaçado a tentativa de submeter ao controle concentrado de constitucionalidade juízo de legalidade do poder regulamentar”, explicou Barroso na sua decisão.

Além disso, o ministro disse que a afronta meramente reflexa e indireta a preceitos fundamentais não autoriza o ajuizamento da ADPF, dada a inexistência de controvérsia de ordem constitucional ou a lesão a preceito fundamental. A decisão do ministro Roberto Barroso foi proferida no final de 2022 e somente agora publicada no DJE.

Notícias relacionadas

A ação

Em 2018, o PSB ajuizou a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 546, com pedido de liminar, para que o STF reconheça lesão aos princípios da separação dos Poderes, da legalidade e devido processo legislativo, além de ofensa à liberdade de iniciativa e da livre concorrência em dispositivos da resolução da Anatel que atribuem à agência competência para dirimir conflitos entre prestadoras de serviços de telecomunicação e de valor adicionado.

Na ação, o PSB, argumentava que, ao alterar o Regulamento dos Serviços de Telecomunicações, com a edição de tais dispositivos, por ato interno próprio e sem autorização legal, a agência reguladora teria ampliado competências para incluir a solução de conflitos entre operadoras e SVAs, concedendo-lhe jurisdição administrativa que a legislação não teria concedido.

Para o partido, as normas impugnadas atribuem competência à Anatel “de forma inédita e sem qualquer fundamento legal”. Isso porque os SVAs são atividades que acrescentam novas utilidades ao serviço de telecomunicação, relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações. A título de exemplo, o PSB cita os aplicativos de internet de mensagens instantâneas, redes sociais, streaming de música e vídeo e armazenamento em nuvem.

“Os serviços de valor adicionado não são serviços de telecomunicação, pois não transmitem, emitem ou recebem informações. Logo, não estão submetidos à regulação da Anatel, cujas competências estão expressamente definidas em lei. Eles apenas se valem do canal físico de comunicação — prestado por uma empresa de telecomunicação — para adicionar funcionalidades, mas não se confundem com os serviços de telecomunicação”, argumentou a legenda.

O PSB ressalta ainda que, longe de ser uma diferenciação meramente técnica, a distinção entre serviços de telecomunicação e de valor adicionado se justifica exatamente para evitar que a regulação estatal atinja o tráfego de internet, prestigiando a livre iniciativa, liberdade e inovação dos serviços online. A Anatel tem justificado que a atuação em SVAs acontece por motivo semelhante ao das iniciativas contra telemarketing abusivo – por conta do uso dos recursos da camada de rede de telecom.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile