Publicidade
Início Newsletter Oi será primeira cliente âncora da V.tal, mas não deve ser a...

Oi será primeira cliente âncora da V.tal, mas não deve ser a única

A estratégia da V.tal – nova marca da InfraCo – será ainda fortemente ligada à da Oi, pelo menos num primeiro momento. Isso ocorrerá no período em que a venda do controle da unidade de infraestrutura de fibra para os fundos do BTG Pactual ainda aguarda aprovações da Anatel e do Cade, mas também depois da transferência do controle para o banco. É nesta fase em que a operadora será a “cliente âncora”, a principal da nova empresa. O maior entre 260 contratos que a V.tal informa já ter em seu portfólio.

Contudo, conforme explicou o presidente da Oi, Rodrigo Abreu, durante coletiva de imprensa online nesta quinta-feira, 5, a V.tal poderá ter outros clientes âncoras com o passar do tempo após a transferência de controle. Os mesmos direitos reservados à tele por essa condição de âncora (e sem relação com a participação acionária na V.tal) serão aplicados a esses novos parceiros que poderão ser adicionados à carteira da empresa de infraestrutura.

“A Oi vai ser um cliente importante da V.tal, a mais relevante, principalmente no início da operação”, destaca o executivo. No futuro, a ideia é que essa condição seja disponibilizada para mais empresas. “Como qualquer cliente âncora, existe processo de equidade”, declara. 

Notícias relacionadas

O fato de a Oi ainda manter 42,1% de participação societária na V.tal não interferirá na estratégia da empresa de infraestrutura para com esses clientes especiais, segundo Abreu. Tanto que o período de exclusividade dedicado à operadora como âncora no início também se aplicará a novos clientes âncoras. “Eles terão exclusividade, que não é longa, mas que permita a operação. Depois a rede se abre para outros provedores.”

Investimentos

No entanto, um dos pontos centrais da estratégia da V.tal é como a empresa já nasce de grande porte, com o backbone de cerca de 400 mil km de fibra óptica, alta capilaridade, Capex de estimados R$ 30 bilhões até 2025 e uma base de 12 milhões de casas passadas e 2,5 milhões de casas conectadas. Como a intenção é de continuar expandindo, a empresa se valerá justamente da escala para contar com melhores negociações. 

O planejamento dos investimentos conta com a capacidade financeira do BTG Pactual como novo controlador, que permitirá reestruturar a dívida e acomodar a nova estrutura de capital. “Enquanto a operação não é autorizada, a Oi continua fazendo investimento. O acordo com o BTG permite isso, com tipos de dívida que serão repagas”, declara Rodrigo Abreu.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile