Publicidade
Início Newsletter Confira as operadoras de banda larga que mais cresceram em 2023

Confira as operadoras de banda larga que mais cresceram em 2023

Os dados de acessos da banda larga fixa em 2023 evidenciaram a Brasil TecPar, Vivo, Claro e Desktop como as operadoras que mais adicionaram clientes ao longo do ano passado, com impulso da consolidação de mercado e de investimentos em fibra. Já a Oi recuou sua base, mesmo crescendo na tecnologia óptica.

O ano de 2023 foi marcado pela chegada de dois grupos na marca do 1 milhão de assinantes (Vero/Americanet, que combinaram negócios, e a Desktop). Entre as empresas com mais de 500 mil assinantes, houve o ingresso da Brasil TecPar – que adicionou 291 mil novos acessos no ano, para base de 633 mil clientes.

OperadoraAdições líquidas em 2023Assinantes em dez/2023
Claro221 mil9,972 milhão
Vivo256 mil6,730 milhão
Oi– 260 mil4,791 milhão
EB Fibra (Alloha)180 mil1,558 milhão
Vero/Americanet– 1 mil1,344 milhão
Brisanet192 mil1,292 milhão
Desktop207 mil1,016 milhão
Algar24 mil810 mil
TIM86 mil808 mil
Unifique113 mil719 mil
Brasil TecPar291 mil633 mil
Alares123 mil625 mil
Notícias relacionadas

Considerada por especialistas a maior compradora do segmento em número de operações desde 2018, a empresa gaúcha realizou no ano passado as compras da Blink Telecom (mais 150 mil clientes), JustWeb (50 mil), além de Hi Telecom, DZ7, TV Alphaville e CyberNet – em movimento que explica a liderança em adições no ano.

Vivo e Claro

Em termos orgânicos, as líderes de mercado Vivo e Claro confirmaram o bom momento comercial na banda larga fixa. A Vivo teve 256 mil adições líquidas no ano, chegando em base de 6,7 milhões de clientes.

Apenas na tecnologia óptica foram 692 mil adições, entre novos assinantes e migrações de tecnologias legadas. Nas redes de cobre, a empresa desconectou 435 mil contratos em 2023.

A fibra também impulsionou a líder de mercado Claro, que teve 221 mil adições, para base total de 9,9 milhões. A operadora encerrou o ano passado com 413 mil novos clientes na tecnologia óptica.

Assim, a base de fibra da Claro chegou a 1,298 milhão de assinantes, já sendo maior por exemplo que a operação da Brisanet. Já na tradicional tecnologia de cabo, a tele registrou 188 mil desconexões em 2023.

Oi em queda e correção na Vero/Americanet

Entre os maiores grupos, quem apresentou saldo negativo de clientes no ano passado foi a Oi: foram 260 mil desconexões, para base de 4,7 milhões.

O movimento ocorreu mesmo com performance positiva do Oi Fibra, que somou 103 mil novos clientes ao longo de 2023. Na rede legada de cobre, as desconexões chegaram a 362 mil, explicando o saldo negativo no consolidado.

Outra que teve (leve) retração foi a Vero/Americanet, que concluiu processo de fusão em dezembro – criando a quinta maior empresa do mercado de banda larga, com 1,34 milhão de clientes. No ano, a operadora teve leve saldo negativo de pouco mais de 1 mil acessos, uma vez que 100 mil clientes foram desativados nos meses de novembro e dezembro.

Como adiantado por TELETIME, o grupo desconectou assinantes que não atendiam critérios de adimplência em meio à fusão. Nos últimos dois meses de 2023 foram cerca de 95 mil desconexões na Americanet e cerca de 4 mil na Vero. Já no acumulado do ano passado a Vero teve sozinha saldo 87 mil adições líquidas positivas e a Americanet, de 89 mil adições líquidas negativas.

Provedores regionais

A Brisanet teve números robustos apenas a partir de uma estratégia restrita à expansão orgânica. A operadora cearense somou 192 mil novos clientes em 2023, levando a base total para 1,29 milhão de clientes. Vale notar, contudo, que a operadora está diminuindo o ritmo da expansão de suas redes de fibra, de olho no 5G.

A holding de provedores regionais Alloha Fibra (da gestora EB Fibra) reportou números similares: 180 mil adições de clientes, para base de 1,55 milhão na banda larga (a quarta maior do País).

A empresa detém as marcas Sumicity, Click Telecom, Univox Fibra, VIP Telecom, Niufibra, Ligue Telecom e Mob Telecom, que agora estão sendo integradas sob o chapéu da Giga+. A Alloha também promete voltar a protagonizar o movimento de consolidação do segmento.

A Desktop, por sua vez, foi outra provedora impulsionada por M&As: a empresa teve 207 mil adições em 2023 (a quarta melhor marca da cadeia no ano), sendo que cerca de 116 mil vieram da compra da Fasternet, concluída em março. A empresa ainda adquiriu participações remanescentes em empresas onde já era acionista. Ao todo, eram 1,01 milhão os clientes na provedora regional paulista em dezembro.

A Alares também cresceu com impulso das aquisições. Foram 123 mil adições no ano (para base de 625 mil), sendo que apenas a compra da provedora paulista Webby trouxe 115 mil assinantes para a operadora. Fora isso, as adições orgânicas do grupo foram mais tímidas.

Cenário similar ocorreu na Unifique, que somou 113 mil novos assinantes (para base de 719 mil) mesmo com ritmo de adições orgânicas pequeno ao longo do ano. Em 2023, a empresa adquiriu provedores regionais como a ViaWebRS, TKNet, Brick Telecom, Concórdia e, no encerrar do ano, a Vex. Em alguns dos negócios, foram adquiridas apenas as carteiras de clientes, com opção de compra sobre as infraestruturas.

Ainda no grupo com mais de 500 mil assinantes, a Algar somou 24 mil acessos de banda larga no ano e alcançou 810 mil clientes, ao passo que a TIM fez 86 mil adições líquidas, para 808 mil. A operadora está priorizando investimentos ao lado de redes neutras na expansão de sua base de banda larga.

Qual o número final do mercado?

Ainda não é possível precisar com segurança qual o saldo de adições líquidas do mercado de banda larga em 2023. Como apontado por TELETIME ao longo do ano, fora os maiores grupos, muitos dos operadores regionais reportam dados com atraso, distorcendo as estatísticas mensais. 

Em dezembro, por exemplo, foram reportados 47,2 milhões de clientes, ou 581 mil a menos que os dados (agora atualizados) de novembro. Ao divulgar os dados do último mês de 2023, até as informações de agosto foram revistas pela agência. O pico de acessos registrado pela Anatel foram 48,1 milhões de acessos em outubro.

Se considerada essa marca, as adições do mercado no acumulado do ano seriam quase 2,8 milhões até aquela data; já com os dados parciais de dezembro, o resultado de 2023 seria bem menor – ou 1,8 milhão de adições.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile