Operadoras testam LTE 450 MHz nacional

Pelos menos duas operadoras já decidiram testar o equipamento LTE em 450 MHz desenvolvido pelo CPqD com recursos do Funttel e produzido pela WxBR de Campinas. "Estamos discutindo com os principais operadores", afirma Samuel Lauretti, presidente da WxBR. Segundo apurou este noticiário, uma dessas empresas é a Oi. O início da fase de testes mostra que o cronograma para a disponibilização da tecnologia para o mercado até o final do ano foi cumprido.

De acordo com o edital de venda das faixas de 2,5 GHz e 450 MHz, as operadoras devem atender a área rural (limitada a uma área de 30 km da área urbana) de 30% dos municípios das suas áreas de outorga até junho de 2014. Segundo Lauretti, para que esse prazo seja cumprido é preciso que a implantação se inicie no ano que vem.

"O Brasil tem cerca de 5,5 mil municípios e, como são quatro áreas, estamos falando de 300 a 400 munícipios nessa primeira fase", calcula ele. Depois disso, a próxima meta é atender a 60% dos municípios até o final de 2014 e 100% até o final de 2015.

Para Lauretti, é pouco provável que as operadoras optem por implementar uma rede CDMA nesta faixa. Isso porque o núcleo de rede, segundo ele, não poderia ser compartilhado com o da rede GSM/3G. Na prática, haveria a necessidade de dobrar essa infraestrutura para atender a rede CDMA em 450 MHz. Além disso, na sua visão, o CDMA em 450 MHz teria dificuldade em chegar à velocidade de 1 Mbps, como determina o edital, em 2017.

O uso de outras faixas de frequência para ele também não seria o ideal porque "quando se fala em área rural, a cobertura é um fator chave". Por ser uma faixa baixa, a principal característica do 450 MHz é a possibilida de cobrir grandes áreas.

O LTE em 450 MHz está sendo padronizado pelo 3GPP, o que abre a possibilidade de os fabricantes multinacionais se interessarem por este mercado que, por enquanto, só existe no Brasil. A Huawei já anunciou que desenvolve equipamentos LTE para a faixa, e aNokia Siemens tinha planos nesse sentido. Lauretti vê o lado positivo da entrada dos grandes players internacionais. "Uma tecnologia de um único fornecedor perde a credibilidade junto às operadoras. Dá mais conforto investir em tecnologia com mais fornecedores", diz ele.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.