Campelo: prioridade da Oi em leilão de 700 MHz deve ser revista

Para o conselheiro da Anatel, Emmanoel Campelo, a eventual venda da operação móvel da Oi para as concorrentes Claro, TIM e Vivo deve impedir que a operadora tenha prioridade na aquisição do bloco de 10+10 MHz da faixa de 700 MHz durante o leilão de 5G.

A avaliação foi compartilhada nesta sexta-feira, 30, durante debate na Futurecom com players do ecossistema dos provedores regionais (ISPs). "[A venda da operação móvel da Oi] sem dúvida nenhuma deve trazer algum impacto", afirmou o conselheiro.

Campelo lembrou que a preferência para a Oi estava prevista nas primeiras propostas da Anatel para o leilão 5G, formuladas antes do processo de venda dos ativos móveis da operadora começar. O modelo vedaria empresas que já detêm o 700 MHz de participarem da primeira rodada pelos 10+10 MHz remanescentes na faixa, deixando Claro, TIM e Vivo de fora do primeiro round.

Na prática, o formato criaria uma prioridade para a Oi, que não adquiriu 700 MHz no leilão de 4G de 2014, além dos ISPs. Durante o debate nesta sexta-feira, Campelo destacou que a capacidade prevista em 700 MHz será importante para a participação dos provedores regionais no 5G.

A Anatel corre para realizar o leilão de 5G no primeiro semestre do ano que vem. Já o leilão dos ativos móveis da Oi (no qual a proposta de Claro, TIM e Vivo é a 'stalking horse') está previsto para dezembro, com expectativa do negócio ter todas as etapas concluídas no último trimestre de 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.