Publicidade
Início Newsletter Escala do Internet Brasil vai atrair grandes operadoras, aposta RNP

Escala do Internet Brasil vai atrair grandes operadoras, aposta RNP

Divulgação: RNP

Com expectativa de concluir em junho uma prova de conceito utilizando o chip neutro do Internet Brasil, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) acredita que uma escalabilidade do programa pode atrair operadoras móveis para parcerias com as MVNOs selecionadas no projeto.

Em encontro de fornecedores realizado nesta quarta-feira, 29, em Campinas pela entidade (responsável pela execução do Internet Brasil sob contratação do MCom), o gerente de soluções da RNP, Helder Vitorino, fez atualizações sobre a iniciativa. No momento, cerca de seis mil benefícios de até 10 mil previstos na prova de conceito já foram entregues.

A primeira leva teve como destino escolas em seis cidades do Nordeste, enquanto o excedente deve ser destinado para três instituições de ensino em Minas Gerais. Até junho, a RNP espera ter diagnóstico sobre as dificuldades e facilidades do modelo – considerado inovador por pressupor um chip neutro com acesso a múltiplas redes móveis via eSIM.

Notícias relacionadas

A validação da “troca” entre redes é um dos pontos que a executora do projeto espera avaliar. Hoje, as duas MVNOs contratadas em licitação para o Internet Brasil são baseadas em redes da TIM, mas uma delas – a Nuh! – também tem acordo com a Algar Telecom. A partir disso, a troca entre redes poderá ser testada pela RNP (ao passo que a troca de perfis elétricos entre as duas MVNOs já foi validada).

Confirmada a viabilidade, a organização espera que acordos comerciais surjam entre as fornecedoras de conectividade atuais e as teles. “Temos expectativa que isso se resolva no âmbito das MVNOs, se não vamos ver como provocar isso. Mas na medida que terminar a prova de conceito e começar a escalar, a operadora como empresa comercial vai ver que tem mercado e naturalmente vai [entrar]”, avaliou Vitorino, em entrevista ao TELETIME.

A contratação, contudo, seguirá restrita a empresas que oferecem pacotes de dados no mercado, relembrou o profissional. Neste sentido, a cautelar da Anatel que a Base Soluções (fornecedora da plataforma de gerenciamento do Internet Brasil) obteve para negociar capacidade no atacado com operadoras móveis não teria relação alguma com o projeto tocado pela RNP, reiterou Vitorino. A cautelar da Base se refere a licitações em Alagoas e Amazonas, sem relação com o Internet Brasil.

Timing

Com os recursos iniciais do projeto (cerca de R$ 139 milhões), o gerente da RNP calcula que o custeio de 550 mil chips até março de 2024 estaria garantido. Depois disso, aportes adicionais do governo, doações, investimentos de impacto social e mesmo contrapartidas financeiras, físicas ou de serviços de empresas (inclusive metas regulatórias das próprias operadoras) são fontes vislumbradas para a iniciativa.

O timing da distribuição de chips, contudo, dependerá das escolas beneficiadas pelo projeto (responsáveis pela identificação de beneficiários e distribuição do recurso) e das redes de ensino locais. A RNP também avalia formatos para que os atores pedagógicos de ensino tenham controle de segurança e restrição de acesso sobre conteúdos, além de maneiras para, futuramente, permitir que alunos egressos do programa possam continuar como usuários dos serviços.  (O jornalista viajou para Campinas convidado pela RNP)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile