Ouvidoria da Anatel formula proposta para compartilhamento de postes

Foto: Pixabay

A Ouvidoria da Anatel encaminhou ao Conselho Diretor da agência uma contribuição para a revisão das regras para compartilhamento de postes entre operadoras de telecom e distribuidoras de energia. Entre as propostas do órgão estão a criação de um sistema específico para a relação (como existe no segmento de atacado) e uma postura mais ativa da Anatel, assumindo inclusive o papel de "interface centralizadora" entre os dois setores.

Com previsão de conclusão no segundo semestre de 2020, a revisão das regras chamou atenção da Ouvidoria após levantamento realizado com provedores regionais (ISPs) do Cinturão Digital do Ceará (CDC) indicar o alto valor do compartilhamento dos postes como principal barreira de mercado em 42% dos casos. Por esse motivo, uma "célere da modernização do arcabouço regulatório" foi cobrada.

A pesquisa também constatou que a "maioria das empresas" concorda que a introdução de um agente autônomo facilitaria o acesso e a gestão da infraestrutura de postes para redes aéreas. "Contudo, foi demonstrada grande preocupação dos participantes quanto aos direitos e obrigações de tal agente, bem como sua forma de custeio. A maioria acredita que as responsabilidades deveriam ser mantidas a cargo das agências reguladoras envolvidas", afirmou a Ouvidoria.

Dessa forma, a proposta encaminhada ao Conselho sugere a discussão sobre a possibilidade de a própria Anatel assumir tal papel, com postura mais ativa, e não reativa, "passando a desenvolver um papel de centralizador para os prestadores de telecomunicações". Para a Ouvidoria, os recursos do Fistel seriam suficientes para cobrir o custo da gestão.

"Assim, a Anatel, exerceria papel de interlocutor dos prestadores de serviços de telecomunicações com as distribuidoras. A ideia é que o órgão regulador concentre as demandas do setor de telecomunicações, tomando conhecimento do mapa das redes de telecomunicações (inclusive última milha) e forme um banco de dados sobre demandas em tratativas e resolvidas", prosseguiu a Ouvidoria.

O modelo do Sistema de Negociação das Ofertas de Atacado (SNOA) foi usado como exemplo de ferramenta que permitiria "a organização das demandas e contratos vigentes sobre compartilhamentos" no caso dos postes. Segundo a Ouvidoria, a concentração da gestão também reduziria problemas relacionados ao preço referência para o uso da infraestrutura enfrentado pelos ISPs.

Reordenamento

Além da questão do acesso, a necessidade de ordenamento das redes áreas também é ponto crucial na revisão das regras de compartilhamento de postes. Neste caso, a possibilidade de adoção de um operador neutro de infraestrutura já foi ventilada pelo mercado.

Entre as sugestões da Ouvidoria neste campo estão a necessidade de revisão da norma 15.214 da ABNT, que estabelece os requisitos e condições técnicas mínimas para o compartilhamento de infraestrutura das redes de distribuição aérea e subterrânea de energia elétrica. Para tal, foi solicitada maior participação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e das próprias distribuidoras de energia.

A Ouvidoria da Anatel também solicitou que a nova resolução trabalhada em conjuntos pelas duas agências possibilite compartilhamento de pontos de fixações de redes em postes entre diferentes operadoras de telecom, mediante acordos operacionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.