BlackBerry tem queda em receitas e aumenta prejuízo para US$ 4,4 bilhões

Após a tentativa frustrada de venda para o fundo de investimentos Fairfax neste último trimestre, a BlackBerry continua lutando para se manter de pé, mas mostrando resultados cada vez mais negativos. A companhia registrou uma queda de 56% nas receitas no terceiro trimestre (encerrado dia 30 de novembro) do ano fiscal de 2014, totalizando US$ 1,193 bilhão. Houve queda também na venda de smartphones e aumentou o prejuízo para US$ 4,4 bilhões, segundo informou a canadense ao mercado nesta sexta-feira, 20.

O prejuízo financeiro no trimestre saiu de US$ 965 milhões no ano anterior para US$ 4,4 bilhões neste trimestre encerrado em novembro, ou US$ 8,37 de prejuízo por ação diluída. A companhia afirma que esse prejuízo inclui pagamento de multas relacionadas a ativos de longa vida de aproximadamente US$ 2,7 bilhões, além de pagamentos de compromissos de estoque e de distribuição de aproximadamente US$ 1,6 bilhão. Contribuíram também os gastos com o programa de reestruturação da BlackBerry, que foram de US$ 266 milhões no período.

A empresa registrou queda de 24% nas receitas mesmo na comparação com o trimestre imediatamente anterior, quando obteve US$ 1,573 bilhão. Em todas as regiões houve queda nas receitas, embora a área da Europa, Oriente Médio e África, a mais rentável para a BlackBerry, continue sendo responsável por quase metade (46%) das receitas. A América Latina diminuiu sua participação de 12,5% no segundo trimestre para 11,3% (US$ 135 milhões em receitas), permanecendo como a região de menor participação.

A venda de aparelhos caiu quase pela metade na comparação anual, de 3,7 milhões para 1,9 milhão. O desempenho levou a empresa a procurar a Foxconn para executar uma parceria estratégica para levar à companhia chinesa o desenvolvimento e fabricação de hardware low-end, terceirizando custos.

O caixa da empresa, incluindo investimentos, foi de US$ 3,2 bilhões, comparado com US$ 2,6 bilhões em novembro de 2012. Obrigações e compromissos de compra somaram US$ 2,1 bilhões, com requisições contratuais de fabricantes representando aproximadamente US$ 664 milhões do total.

Desafios

Tudo isso representa um grande desafio para o novo CEO da empresa, John Chen, que está no cargo há 45 dias. "Passei mais tempo observando os potenciais precipícios. Estamos mudando o gerenciamento, melhorando a eficiência e organizando", justificou ele. Para tanto, além de apostar na parceria com a Foxconn para diminuir os gastos com estoques e manufatura, a companhia está procurando delinear as áreas de negócios em setores de dispositivos, mensagem, comunicação máquina-a-máquina (M2M) e serviços corporativos.

A empresa já busca também recuperar o relacionamento com operadoras, principalmente no setor corporativo. "Já estou em contato com a Verizon e a AT&T, além da Vodafone, e eles estão bem interessados em nossa oferta de enterprise", declara Chen. Desde o lançamento do sistema operacional BlackBerry 10, não é mais exigido ao usuário possuir um plano de dados específico para utilizar a plataforma e servidores BlackBerry.

Softwares

A maioria das unidades vendidas no trimestre foi de dispositivos equipados com o sistema BlackBerry 7. John Chen reconhece que o desempenho da plataforma BB 10 foi um resultado "abaixo do desejado", mas diz que vê futuro para o sistema. "Há muitos recursos que queremos implantar para melhorar em produtividade, comunicações e messaging", promete, afirmando que há um time de desenvolvimento trabalhando nisso e que deverá haver crescimento orgânico e inorgânico na divisão de softwares. Importante lembrar que o novo dispositivo desenvolvido em parceria com a Foxconn rodará o BlackBerry 10.

Na área de mensagens, há 40 milhões de novos usuários registrados nos últimos 60 dias graças ao lançamento do aplicativo BBM para iOS e Android. A BlackBerry deverá lançar em 2014 uma versão do BBM destinada ao setor corporativo com mais ferramentas de segurança e de gerenciamento. Segundo Chen, 60% dos usuários ativos do aplicativo de mensagens o utilizam diariamente. O próximo desafio será monetizar o BBM. "Por isso separei a unidade de negócios. Acho que o ano fiscal de 2015 será mais focado em investir em recursos e canais", declara, esperando ver aumento "razoável" da receita no ano fiscal de 2016. O CEO garante que uma estratégia baseada em publicidade não está nos planos da BlackBerry.

A companhia conta ainda com 30 mil servidores comerciais e em teste com o BlackBerry Enterprise Service 10 (BES10), crescimento de 5 mil em relação ao último trimestre. Além disso, há uma base de 80 mil clientes utilizando serviço de gerenciamento de dispositivo móvel (MDM).

No negócio de M2M, a empresa deverá apresentar a nova tecnologia embarcada baseada no padrão QNX na feira Consumer Electronics Show (CES), que ocorre em janeiro, em Las Vegas, nos Estados Unidos. A novidade será destinada não apenas para comunicação M2M em carros, mas também outras verticais, incluindo serviços em cloud.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.