Estímulo a operadoras móveis pequenas será destaque no retorno dos trabalhos da CCT da Câmara

Já está com parecer favorável na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara o projeto de Lei 2.490/2015, que institui medidas de estímulo às operadoras de telefonia móvel de pequeno e médio porte. Entre elas, a redução em 90% das taxas de fiscalização incidentes sobre a instalação e funcionamento das antenas de comunicação móvel para as prestadoras de abrangência local.

Outro benefício é a destinação de frequências exclusivas para a prestação de serviços de telecomunicações pelas prestadoras de pequeno e médio porte. De acordo com a proposta, caberá à Anatel definir os critérios para enquadramento da empresa que poderá se beneficiar da medida.

Para o autor do projeto, deputado Veneziano Vital do Rêgo (PMDB/PB), ao assegurar tratamento regulatório diferenciado para as operadoras regionais, o projeto contribuirá não somente para a construção de um ambiente de justa competição no mercado de telefonia móvel, mas também para cumprir o verdadeiro objetivo do modelo instituído pela Lei Geral de Telecomunicações: promover a universalização do acesso aos serviços de comunicações.

Notícias relacionadas

O parlamentar argumenta que já está provada que a prestação do serviço não é considerada rentável pelas grandes operadoras, que optam, então, por concentrar seus investimentos nas áreas de maior atratividade econômica. "Ocorre que a oferta dos serviços de telefonia móvel nas pequenas localidades, embora não desperte interesse para as empresas líderes, representa uma excelente oportunidade de negócios para os empreendedores locais", destaca o deputado.

O projeto de lei tem o parecer favorável do deputado Fábio Souza (PSDB-GO). Ele entende que, para se tornar rentável e a atuação das pequenas prestadoras e os preços cobrados dos consumidores sejam equivalentes aos das grandes empresas, são necessárias as duas medidas propostas no texto: redução das taxas do Fistel para instalação e funcionamento das antenas e disponibilização de faixas do espectro de radiofrequências para a prestação dos serviços pelas pequenas operadoras.

A matéria deve entrar na pauta da CCT logo no início do retorno dos trabalhos no Congresso Nacional, em fevereiro deste ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.