Vivo, Ericsson e Raízen escolhem seis startups para criar IoT no agro em 450 MHz

Criado após parceria entre Vivo, Ericsson e a empresa de bioenergia Raízen, o Agro IoT Lab selecionou seis startups que devem desenvolver, a partir deste mês, soluções de Internet das Coisas para o agronegócio através da rede 4G da Vivo, que disponibilizará a frequência de 450 MHz para a iniciativa.

Segundo a Vivo, a capacidade de propagação em longa distância do 450 MHz deve auxiliar na resolução de "problemas de conectividade nas fazendas e zonas rurais com extensões territoriais altas, que precisam de cobertura". A Ericsson ficará a cargo da instalação da rede 4G, além de agilizar a integração das startups através de sua plataforma IoT Accelerator. As companhias já haviam anunciado parceria para IoT com esse espectro em maio do ano passado – na época, esperavam usar NB-IoT e LTE CatM1.

As jovens empresas (e suas respectivas especialidades) selecionadas foram a Ativa (de soluções de IoT e M2M para telemetria e gerenciamento remoto), a Seive (especializada em controle de incêndios em maquinários agrícolas através de sensores), a IoTag (um sistema de telemetria em nuvem que controla dispositivos de mineração de dados embarcados no maquinário), a Trace Pack (para rastreamento de produtos de alto valor agregado e gestão de estoque e logística), a Agriconnected (de gestão e monitoramento de maquinário agrícola em tempo real através de dispositivos e inteligência artificial) e a @Tech (plataforma que integra dados de diversos dispositivos para indicar o melhor momento de negociação do gado).

Os seis projetos selecionados terão a possibilidade de participar do ecossistema da Wayra (o braço de inovação da Vivo), com possibilidade de receberem investimentos da operadora no futuro. Além disso, o grupo terá acesso ao espaço compartilhado do Pulse (o hub de inovação da Raízen), localizado em Piracicaba (SP). Já a EsalqTec (incubadora tecnológica da Escola Superior de Agricultura da USP, ou Esalq) auxiliará os selecionados na facilitação acadêmica das tecnologias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.