Governo paulista quer levar Internet de 100 Mbps a todas as escolas até 2022

Secretário de Educação do governo de São Paulo, Rossieli Soares

O governo de São Paulo anunciou na manhã desta quarta-feira, 9, investimento de R$ 158,8 milhões para conectar todas as escolas da rede estadual paulista com Internet de 100 Mbps "nos próximos 12 meses" – ou seja, em junho de 2022. O anúncio foi feito pelo governador João Dória e é parte do programa Mega Escola, vinculado à Secretaria da Educação (Seduc-SP). 

Para o piloto, que se iniciará em julho, foram selecionadas 507 escolas (com critérios de infraestrutura já instalada e capaz de receber 100 Mbps, utilização de centro de mídias, maior indicador de vulnerabilidade e adesão a projetos de tecnologia e inovação da Seduc-SP). Essas unidades representam 9,8% da rede pública, distribuídas em 160 municípios. Segundo o governo paulista, o investimento inicial para esse piloto é de R$ 13,1 milhões, sendo R$ 790 mil mensais. 

Após esse início, o cronograma da Secretaria de Educação será em quatro fases, seguindo os mesmos critérios de escolha das instituições do projeto piloto:

Notícias relacionadas
  • Fase 1 – entre setembro e outubro de 2021: + 1093 escolas (31% da rede)
  • Fase 2 – entre novembro e dezembro de 2021: + 1093 escolas (52,3% da rede)
  • Fase 3 – entre janeiro e março de 2022: + 1232 escolas (76,3% da rede)
  • Fase 4 – entre abril e junho de 2022: + 1225 escolas (100% da rede)

Em comunicado, o secretário de educação, Rossieli Soares, afirmou que a implantação de fibra já estaria ajudando a elevar a velocidade nas unidades. "Em 2019, a maioria das nossas escolas tinham apenas 8 Mbps de velocidade. Nós já fizemos no primeiro ano de mandato uma transformação para fibra óptica, e isso nos permite fazer avanços mais rápidos, e passamos a ter entre 16 e 30 Mbps no ano passado", declarou.

Adesões

A Seduc-SP anunciou a adesão a mais duas novas iniciativas para levar Internet ao ensino público. Uma delas é o Conecta Educação, lançado em janeiro deste ano. De acordo com o governo, esse programa prevê investimento de R$ 1,5 bilhão para renovar o parque tecnológico das escolas com desktops, notebooks, tablets, SIMcards para acesso de celular e demais equipamentos, com previsão que tudo seja entregue até novembro de 2021. 

A outra iniciativa é a adesão de todas as unidades estaduais à campanha "Nossas Escolas Conectadas", promovida pelo NIC.br com Sincroniza Educação e a Fundação Lemann. Com isso, as escolas passarão a fornecer dados da conexão por meio do Medidor SIMET. A intenção é criar um mapa, incluindo escolas de todo o Brasil, para orientar políticas públicas de acesso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.