Com debate sobre áreas prioritárias e dívidas, PL das antenas de São Paulo pode ser votado dia 16

Foto: João Raposo

A discussão do projeto de lei para revisão da legislação de antenas em São Paulo (347/2021) foi iniciada nesta quarta-feira, 9. A definição já no PL de áreas prioritárias para instalação de infraestrutura e dívidas em aberto do setor de telecom com a cidade foram os principais pontos levantados.

Ao fim de mais de duas horas de manifestações, o presidente da Câmara paulistana, Milton Leite (DEM), convocou os secretários municipais da Fazenda, Saúde, Educação e Licenciamento para debates na próxima terça-feira, 15. Segundo Leite, caso "maduro", o PL da Antenas poderá ter primeira votação no dia 16.

Nesta quarta-feira, o texto começou tramitação conjunta nas comissões permanentes do legislativo paulistano depois de aprovação na CCJ. Mesmo com a celeridade, o PL proposto pelo Executivo também foi alvo de uma série de apontamentos por parte de parlamentares que participaram de sessão plenária.

Notícias relacionadas

Eduardo Suplicy (PT) destacou a oportunidade da Câmara definir "normas mais eficazes" para o trâmite, principalmente em áreas periféricas. No entanto, o vereador afirmou ser fundamental que áreas prioritárias sejam definidas já no texto do projeto, e não em decreto. O ponto foi seguido por outros parlamentares.

Tal conceito foi uma das novidades do texto. Mediante definição via decreto, as áreas prioritárias teriam incentivos para instalação de antenas – como a obrigação de instalação de uma unidade nos locais a cada antena licenciada fora de áreas com prioridade.

Judicialização

A decisão de definir aspectos do arcabouço em decretos posteriores também foi questionada por Paulo Frange (PTB). O vereador ainda apontou que qualquer "deslize" da Câmara na elaboração da lei poderia levar a judicialização, além de pedir uma série de ajustes.

Entre elas, novas redações para artigos que estabelecem o silêncio positivo ou que permitem a instalação de estações radiobase (ERBs) em terrenos irregulares. Frange ainda questionou a criação de bancos de dados municipais (uma vez que o Mosaico da Anatel cumpriria tal papel), o conceito de ERBs móveis e a adequação do texto com leis de zoneamento.

Outros parlamentares focaram em dívidas que o setor de telecom acumula por conta de instalações fora do regramento da lei anterior. Datado de 2004, o texto foi declarado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Camilo Cristófaro (PSB) foi um dos mais incisivos neste aspecto e afirmou que o texto não pode ser votado da maneira que está. Sidney Cruz (Solidariedade), Donato (PT) e Faria de Sá (Progressistas) também destacaram que o passivo de empresas de telecom com a cidade precisa ser endereçado no texto.

Este foi um dos principais aspectos identificados na CPI realizada entre 2019 e 2020. Além de dívidas em aberto, o déficit de cobertura em regiões periféricas e a própria demora para licenciamento de antenas foram outros pontos destacados na ocasião.

O texto apresentado pelo Executivo foi bem recebido por executivos das entidades de teles, torres e instalação e manutenção de infraestrutura. O arcabouço de São Paulo foi considerado durante muito tempo um dos mais problemáticos do País para instalação de antenas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.