Para TIM, compartilhamento de espectro pode ser caminho melhor a novos entrantes

Mário Girasole, VP de assuntos regulatórios e institucionais da TIM

Para a TIM, a possibilidade de o leilão de 5G trazer espaço para novos operadores é uma inovação importante, mas a abordagem da Anatel deveria ser diferente da que está sendo discutida até aqui. Para Mário Girasole, VP de assuntos regulatórios e institucionais da operadora, as pequenas prestadores fizeram um "trabalho extraordinário" na banda larga, mas isso não significa que chegarão ao mesmo resultado no mercado de 5G. "Tem que separar um pouco a ideia de titularidade do espectro da ocupação da banda. Quanto de espectro uma prestadora de pequeno porte precisa? É melhor ser dono ou ter a possibilidade de usar esse espectro? Precisamos ficar atentos que o leilão não sirva para criar um ativo financeiro que depois vai ser usado no mercado secundário", disse. A preocupação da operadora é que, em busca de fomentar a competição, a Anatel acabe criando um mercado especulativo com espectro. "Se é para ser um ativo financeiro, é melhor que permaneça um bem público", diz Girasole.

"O espectro precisa ser explorado como um ativo industrial, e isso seria bem endereçado se esses 60 MHz que vão ser leiloados para as PPPs fossem explorados por meio de uma oferta pública, no atacado, com prioridade", diz Girasole. Para ele, poucas empresas teriam condições de implantar essa infraestrutura, mas é justo que o acesso a esta rede seja assegurado a novos entrantes, podendo ser utilizados pelas grandes operadoras quando não houver demanda. "O player estabelecido, compra o espectro e faz uma oferta pública".

Para Girasole, esse modelo de uso comum do espectro vai além do leilão de 5G e deveria estar em qualquer infraestrutura decorrente de recursos públicos. "As novas renovações de espectro, por exemplo, podem vir com obrigações. Para nós a obrigação chave é que seja investimento compartilhado em tudo o que use recursos públicos. Já propusemos isso no nosso TAC, mas o mesmo deve valer para os investimentos que vierem dos bens reversíveis, das renovações de licença, dos TACs, das obrigações de fazer etc".

Pressa

Em relação ao timing da licitação de 5G, Girasole reitera que a TIM é a operadora "que mais quer que saia logo o leilão". Entretanto, segundo o executivo, "é difícil saber o que vai acontecer, porque existem muitas variáveis no leilão: a questão da interferência na banda C, a entrada de novos players, o tamanho das faixas, o modelo de leilão… Mas o quanto antes decidir as questões, melhor". Para a TIM, o 5G colocará as operadoras de telecomunicações diante de novos modelos de negócio e uma nova realidade de prestação de serviço, e é preciso que estes modelos comecem a ser desenvolvidos rapidamente. "O 5G tem um novo ecossistema de negócios. Quarto antes começa, antes a gente aprende".

Interferências políticas

Sobre a possibilidade de o governo determinar os fornecedores e as condições tecnológicas das redes, o que poderia acontecer com um eventual veto a fornecedores chineses, por exemplo, Girasole diz que não acha que uma situação como esta "seja útil nem possível".

Para ele, qualquer medida neste sentido "não só interfere nas escolhas de mercado como abre brechas para a intervenção do governo na economia, e ai começamos a retroceder". Para Girasole, isso não significa que os operadores de telecomunicações não estão preocupados com a questão da segurança das redes. "Isso é de suma relevância. Isso está acontecendo na Europa, mas ninguém disse sim ou não a algum fornecedor. Nós somos os maiores interessados na segurança, mas somos nós que temos que fazer essa avaliação a partir de requisitos de controle. Dizer sim ou não a um país não parece razoável. Qual a vantagem de tirar o principal fornecedor? Teríamos que tirar essa tecnologia totalmente das redes, inclusive das redes de 4G e 3G? Não acho que seja nem útil, nem possível".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.