Voucher custeado com Fust tem que ser medida temporária, defende Intervozes

A proposta de uso do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) para subsídio de vouchers de serviços de telecom durante a pandemia do novo coronavírus (covid-19) tem apoio do coletivo Intervozes, mas apenas em caráter emergencial. Segundo a conselheira do grupo, a advogada Flávia Lefèvre, em médio e longo prazo, a fonte de recursos deve ser destinada para investimentos em infraestrutura que permitam a universalização do acesso à Internet fixa no País.

Tal posicionamento já havia sido defendido pela Coalizão Direitos na Rede (CDR), da qual o Intervozes faz parte, e foi reiterada por Lefèvre nesta quarta-feira, 3, durante evento online realizado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e que contou com participação da Anatel.

Notícias relacionadas

"Há uma proposta para que Fust possa subsidiar preços de serviços, como créditos de banda larga. A gente concorda com isso, mas em caráter emergencial. Tememos que [a medida] crie um 'voucher telefônico' que desvirtue a finalidade originária do fundo, que são investimentos em infraestrutura. Isso que de fato universaliza e democratiza o acesso", afirmou a advogada, na ocasião.

Segundo Lefèvre, ainda que a alteração (já proposta pela senadora Daniella Ribeiro) faça sentido no curto prazo, deve haver incentivo à construção de redes em médio e longo prazo "com as empresas que puderem usar esses recursos garantindo que parte da capacidade estará associada a políticas públicas de inclusão digital, com preços e compartilhamento defendidos pela Anatel".

Recentemente, o presidente da agência reguladora, Leonardo Euler, também defendeu o desbloqueio do Fust para financiamento de uma estratégia digital brasileira. Na ocasião, Euler pontuou que o ideal seriam incentivos tanto para a oferta (infraestrutura) quanto para a demanda (como vouchers); neste último caso, sobretudo em meio à pandemia.

Durante o evento do Idec, a conselheira do Intervozes creditou a dificuldade para a destinação correta do Fust à falta de vontade política. "Quando o governo quer, ele consegue mexer os pauzinhos para usar esse dinheiro", afirmou Lefèvre, citando um exemplo de 2018. "Na greve dos caminhoneiros, o ex-presidente Michel Temer usou R$ 780 milhões do Fust para subsidiar a redução do preço do diesel. Então por que [agora] não revertem?", questionou. Em 2019, o fundo de universalização arrecadou R$ 1,2 bilhão.

Evento TELETIME

Nesta sexta, dia 5, TELETIME realiza mais um encontro virtual, para discutir justamente o uo de recursos do Fust como modelo alternativo para subsidiar serviços. Participa do evento o secretário executivo do MCTIC, Júlio Semeghini, que discutirá com o VP de assuntos institucionais da Oi, Carlos Eduardo Medeiros, e com Philipe Moura, diretor da KPMG, modelos alternativos para políticas emergenciais. O evento terá ainda a participação especial de Ryan Palmer, chefe de políticas de acesso fixo da FCC, o órgão regulador dos EUA. Palmer falará sobre o modelo Lifeline, programa destinado aos subsídio de tarifas para a população de baixa renda dos EUA, e sobre as políticas emergenciais que está sendo adotadas naquele país. Mais informações sobre condições de inscrição pelo site do evento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.