Cabo submarino pode ser saída para anel ótico sul-americano

O acordo celebrado entre a IslaLink e a Telebras para o cabo submarino interligando o Brasil à Europa prevê um modelo de investimentos (estimados em US$ 185 milhões) fortemente baseado na antecipação de receitas por meio de contratos firmes, e alguns podem ser com países vizinhos. Segundo avaliou o gerente geral da regional de São Paulo da Anatel, Sandro Almeida Ramos, essa infraestrutura poderia ser a saída do continente para o projeto de anel sul-americano, plano antigo do governo e que ainda está em discussão. "A Telebras venderia capacidade, talvez por meio de dispositivo de parceria", disse Ramos nesta quarta-feira, 1º.

Notícias relacionadas
De acordo com Ramos, o governo trabalha nesse projeto em paralelo com o projeto de cabo submarino, mas afirma que ainda está em estágio "prematuro". Ele não quis comentar prazos. "Vai depender do investimento do setor privado e parcerias", disse ele em conversa com jornalistas durante a conferência Broadband Latin America 2015 em São Paulo.

O governo brasileiro apresentou uma proposta de anel ótico na América do Sul ainda em 2012. À época, a estimativa de custo seria de US$ 100 milhões. No ano passado, o então ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, recebeu o ministro de Obras Públicas e Comunicações do Paraguai, Ramón Jiménez Gaona, que demonstrou interesse em participar do projeto. No entanto, nada mais foi mencionado a respeito.

Alternativas de universalização

Outro aspecto mencionado por Ramos é a utilização do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) para promover a universalização de acesso. Segundo ele, o preço da banda larga satelital deverá cair 95%, enquanto aumenta em cinco vezes a taxa de transmissão. "Hoje, para uma velocidade de 512 Kbps a 2 Mbps, o custo é em torno de R$ 2,5 mil. Em banda Ka, cairá para R$ 100", afirmou.

Para os demais planos de universalização, como o programa Banda Larga Para Todos, a ideia é utilizar uma combinação de tecnologias para atender às metas, que Ramos julga não serem impossíveis de cumprir. "A velocidade de 25 Mbps pode ser mudada, mas talvez para melhor", considera. "É uma evolução que não é irreal, depende de tecnologia e investimentos, e por isso o governo tem planejado leilões reversos e isenções tributárias", declara.

Sandro Ramos mencionou ainda o projeto de cabo subaquático para levar conectividade à Amazônia, uma parceria entre o Ministério da Defesa, Minicom, a companhia de Processamento de Dados do Amazonas (Prodam), Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e Telebras. A ideia é levar a banda larga a 52 municípios do interior do Amazonas. O programa prevê a instalação de 7,8 mil km de cabos de fibra submersos nos rios Negro, Solimões, Purus, Juruá e Madeira.

Backhaul

O governo trabalha também na ampliação de backhauls aproveitando o compromisso não-atendido por concessionárias com os PSTs (Postos de Serviços de Telecomunicações), mas ainda não há prazo para concluir estudo para determinar onde os recursos seriam aplicados. O gerente geral da regional de São Paulo da Anatel reafirmou a ideia de utilizar o Plano Geral de Metas de Universalização (PGMU). "Hoje há um crédito, algo em torno de R$ 1,3 bilhão, com as concessionárias e o governo pretende utilizar para ampliação dos backhauls para complementar soluções finais", declarou.

"As operadoras gostaram da ideia porque é um compromisso já estabelecido, o governo não pode simplesmente deixar o crédito e fazer de conta que não existe, é dinheiro que foi compromissado e precisa ser utilizado", disse Ramos. Segundo levantamento da agência, a fibra ótica é escassa em 53% das cidades brasileiras, sendo que no Norte e no Nordeste falta backhaul em 73% dos municípios; no Sudeste, em 40%; no Sul, em 37%; e no Centro-Oeste, em 42%. O gerente da Anatel paulista afirma que há ainda um trabalho no Ministério das Comunicações para avaliar em que municípios seriam aplicados os recursos. Além do valor, haveria economia com os custos de implantação de orelhões que, com a proposta, serão reduzidos quase à metade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.