Exigência de release 16 no 5G divide fornecedores

Foto: Pixabay

[Publicado no Mobile Time] Não são apenas as operadoras móveis que estão divididas sobre a obrigatoriedade do release 16 no edital do 5G. Mobile Time conversou com dois fornecedores de rede e um de chipsets que demonstraram opiniões divergentes sobre o assunto.

Uma das fontes ouvidas aprova a proposta da Anatel: "Com o Release 16 os incumbentes e novos entrantes estarão em condições iguais de competição. Além disso, o Release 16 apresenta um conjunto de benefícios tais como melhoria de cobertura principalmente em 3,5 GHz, mais opções de agregação de portadoras e o suporte de IoT em 5G. Uma operadora com essa tecnologia deve apresentar índices de qualidade (Netflix ou Ookla) muito superiores que outra com Release 15 – estimamos em até 20% melhores", argumenta. "E no caso de utilizar standalone, aí podemos ter ganhos expressivos de latência, o que se refletirá em melhores serviços aos usuários", completa.

Por sua vez, Paulo Bernardocki, diretor de soluções e tecnologia de rede da Ericsson, pensa diferente: "O pedido do release 16 surpreendeu o mercado, pois a Anatel não regula o aspecto tecnológico. Inclusive, a própria agência sempre falou que era um leilão de frequência. A partir do momento que coloca essa descrição, gera dúvida sobre investimentos para os participantes", diz. Ele defende que a tecnologia de rede seja escolhida pelas operadoras e não pelo regulador.

Notícias relacionadas

Bernardocki acredita ainda que, se seguir o modelo com 5G SA, os players podem escolher por postergar suas posições no leilão, algo que não é visto como um bom caminho para o País, pois o Brasil está atrasado ante outros mercados na instalação do 5G. E recorda que a economia precisa de investimentos para sair da atual crise financeira.

MediaTek

Por fim, Samir Vani, country manager da MediaTek no Brasil, critica a exigência do release 16 em razão do seu custo e do tempo necessário para implementação. "O release 16 toma mais tempo e tem um custo maior. É um pouco difícil de entender quando ele (Baigorri) coloca que uma das prioridades é cobertura, mas quer trazer uma rede baseada no Release 16. O único país que faz o SA completo é a China. Mas isso demanda muito investimento", disse o executivo em conversa com Mobile Time. Para o country manager da Mediatek, cobertura ampla e rede de última geração não combinam e o País deveria escolher um caminho ou outro.

Sobre a rede privativa do governo, Vani acredita que os debates sobre o edital do leilão devem questionar se o governo federal realmente precisa dessa rede dedicada e se não pode usar a rede dos usuários comuns, pois o custo de instalação de rede é caro, será agregado aos ofertantes e, eventualmente, repassado à população.

"O atraso é muito preocupante, mas, infelizmente, são tantas dúvidas que o governo precisa trabalhar neste sentido para que a sociedade tenha as respostas necessárias. Não adianta tomar um caminho que não faça sentido para os usuários. Acho que serão 24 dias de bastante discussão neste sentido para que a sociedade e os players alcancem o melhor caminho", comentou.

1 COMENTÁRIO

  1. Se realmente a única tecnologia que atende a realese 16 é a China, estaremos nestes edital eliminando a concorrência e tornando nossas redes dependentes da China, e destruindo os fabricantes europeus que tanto contribuíram com nossas redes no passado.

Deixe uma resposta para CLAUDENIR NOBRE CABREIRA Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.