OUTROS DESTAQUES
2º Acel Expo Fórum
Empresas estudam modelos de negócio nas redes 3G
quinta-feira, 06 de março de 2008 , 15h07 | POR ANA LUIZA MAHLMEISTER, DE BRASÍLIA

Um modelo de negócios que seja rentável para as redes 3G depois que as operadoras pagaram um ágio bem acima do previsto para a compra das licenças ainda é uma equação em estudo e que precisa ser solucionada pelas empresas. Em paralelo à reivindicação da queda de taxas e tributos que vai tirar do setor de telecomunicações algo em torno de R$ 9 bilhões neste ano, as empresas arriscaram algumas previsões sobre o futuro modelo de negócios para a "Era 3G", que se inicia agora. As propostas foram discutidas durante o 2º Acel Expo Fórum, promovido pela Converge Comunicações e revista TELETIME, em Brasília.
Francisco Perrone, vice-presidente de regulamentação e estratégia da Brasil Telecom, disse que a banda larga fixa e móvel e novos serviços 3G compensarão a queda de acessos na telefonia fixa que está em declínio há dois anos na operadora. Para ele, a infra-estrutura da rede fixa não pode ser desprezada e deve ser modernizada para suportar as novas demandas de velocidade da banda larga. ?A banda larga móvel não pode canibalizar os investimentos feitos na rede fixa?, disse o executivo.
As diferentes formas de precificação das tarifas do serviço fixo e móvel devem ser objeto de atenção por parte dos departamentos de marketing e estratégia das empresas, na opinião do executivo. Na telefonia fixa, o usuário paga pelo uso dos minutos para voz mais uma assinatura básica. E na banda larga paga uma tarifa cheia com uso ilimitado. ?Poderíamos ter um modelo de negócio em que o serviço de voz tivesse tarifa flat, por exemplo?, diz Perrone. Para ele, novas formas de precificação devem ser pensadas para as redes 3G, onde o uso principal será o tráfego de dados, e não de voz.
Paulo Roberto da Costa Lima, diretor da TIM, destacou que a solução para baixar custos, além da luta pela queda de impostos e taxas, é a parceria na infra-estrutura. ?Está na hora de o regulamento permitir que compartilhemos a rede em municípios acima de 30 mil habitantes?, afirmou.

Subsídio versus tarifa

Segundo João Cox, presidente da Claro, sem o pesado subsídio pago hoje pelas operadoras ao aparelho seria possível se pensar em uma tarifa flat para voz. ?Sem o subsídio eu poderia dar uma grande parte dos minutos de graça para o assinante?, disse Cox. O executivo, no entanto, reforçou que não vai deixar de subsidiar o aparelho tão cedo. ?Nossa estratégia mostrou-se vencedora, somos copiados por outras do mercado?, disse Cox.
Ele criticou o incentivo da concorrência ao desbloqueio do aparelho. ?Feito sem cuidado, com vendedores não familiarizados com a tecnologia, o desbloqueio quebra uma proteção (que envolve o chip) e deixa o usuário exposto à radiação?, diz Cox. Por enquanto, não faz parte da estratégia da Claro oferecer aparelhos desbloqueados.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top