Conexis aponta prioridades do setor de telecomunicações para 2021

Foto: Pixabay

A Conexis, associação que congrega as principais operadoras de telecomunicações, divulgou nesta terça, 29, um balanço parcial do ano de 2020 e também pontuou os principais itens da agenda institucional para 2021, como foco na ampliação da conectividade. Segundo a entidade, os itens prioritários são:

  • Uma reforma tributária "que alivie o peso dos tributos para o brasileiro e permita um maior uso da conectividade". Segundo a Conexis, o setor arrecada R$ 65 bilhões ao ano em tributos e quase metade da conta é imposto (47% em média).
  • Notícias relacionadas
  • Destinação correta dos recursos dos fundos setoriais, "promovendo maior expansão dos serviços e inclusão da população mais vulnerável". Conforme dados da Conexis, desde 2000 já foram recolhidos R$114 bilhões para os fundos e menos de 10% foram utilizados.
  • Atualização das leis municipais de antenas e de infraestrutura de telecomunicações, "necessária para ampliar a conectividade e para a implantação do 5G, que vai demandar 5 vezes mais antenas que o 4G". Ainda de acordo com o levantamento da Conexis, "300 leis municipais dificultam essa expansão e mais de 4 mil pedidos de novas antenas aguardam licenciamento pelas prefeituras".
  • Avanço do sistema de autorregulação das telecomunicações, iniciativa do setor que em 2020 passou a ter um conselho estruturado e iniciativas como o aprimoramento do "Não me perturbe", segundo a entidade. 
  • Em relação ao 5G, a entidade pede "diálogo aberto e políticas públicas que permitam que os benefícios dessa nova tecnologia cheguem à população, com foco na ampliação do acesso, leilão não arrecadatório e mitigação para a solução da interferência". Ainda segundo a manifestação da entidade, "é fundamental que as soluções para o leilão do 5G sejam dadas pelo viés técnico e econômico, considerando tanto os requisitos de segurança associados às soluções quanto todos os aspectos de custos relativos à implantação da tecnologia e sua conexão com a infraestrutura já existente nas redes das operadoras".
  • Outros itens da agenda prioritária são o PL 8518/2017 (Silêncio Positivo), a PEC 17/2019 (Dados Pessoais), além de "projetos de lei que endurecem penas para furto e roubo de cabos, entre outras".

Investimentos e receitas

Segundo a Conexis, nos nove primeiros meses do ano o setor investiu R$ 21,4 bilhões, para uma média nos últimos quatro anos de R$ 21,8 bilhões (uma queda de menos de 2%). A Conexis interpreta esse dado como uma estabilidade, considerando a queda de 22% nos investimentos de uma maneira geral desde 2014. Houve ainda, segundo dados compilados pela associação nos nove primeiros meses, uma queda nas receitas. Segundo a Conexis, "o balanço mostra ainda que a receita bruta do setor foi de R$ 181,8 bilhões, em valores reais, de janeiro a setembro, com queda de 2,9% em relação ao mesmo período do ano passado". Segundo Marcos Ferrari, presidente executivo da Conexis, "de forma geral, considerando a economia como um todo, o investimento no Brasil em setembro deste ano ficou 22% abaixo do pico verificado em dezembro de 2014 e deverá ser superado apenas em setembro de 2025. Em telecom, mantivemos os aportes em alta".

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.