Offload inteligente é uma saída para atender à demanda de tráfego

Durante a semana, o estudo de mercado Visual Network Index (VNI) da Cisco apontou para uma tendência de crescimento na quantidade de hotspots no mundo, incluindo o Brasil, que deverá ter 55% de todo o tráfego IP distribuído por Wi-Fi em 2019. Muito desse montante será com a função de offload da rede móvel, algo que as operadoras começam a entender como necessário para desafogar a infraestrutura, redirecionando tráfego mais intenso para uma conexão com maior capacidade. É inclusive ponto-chave da estratégia do Google nos Estados Unidos como operadora móvel virtual (MVNO), o Project Fi.

Tecnologia semelhante está sendo oferecida pela companhia irlandesa Openet, que tem realizado testes com operadoras brasileiras para a solução Access Network Detection Selection Function (ANDSF), que permite o roteamento entre diferentes redes Wi-Fi ou infraestrutura de rede móvel de maneira transparente. A diferença em relação à solução do Google, segundo explica o diretor de serviços da fornecedora, Ricardo Ferreira, é que a solução que começa a ser oferecida no País permite uma gestão inteligente dos clientes baseado no BSS. "As operadoras têm visibilidade de histórico, de quanto o cliente gasta e que tipo de tráfego normalmente usa, e tudo isso pode ser utilizado como input para tomar decisão de manter o usuário na rede móvel", explica. Além disso, a tecnologia da MVNO do Project Fi se restringe a aparelhos Nexus.

A ANDSF é padronizada pelo 3GPP, mas a Openet a integra com o gerenciamento de políticas da Openet como PCRF (Policy and Charging Rules Function) e Interaction Gateway, permitindo tomar decisões de offload baseados em contexto. "Do ponto de vista tecnológico, é basicamente uma decisão de levar ao Wi-Fi ou de permanecer na rede móvel", resume. No entanto, é necessário ter instalado um aplicativo, que a companhia sugere que seja o da própria operadora, atualizado com a tecnologia da fornecedora.

Com isso, a operadora pode jogar o tráfego de vídeo do usuário para a rede Wi-Fi, por exemplo, enquanto mantém uma conexão com servidor de e-mails em uma rede móvel. "A solução pode instruir, aplicar a política para reduzir a largura de banda daquele cliente como algo muito pequeno", declara o executivo. A plataforma ainda permitiria detectar o tráfego Wi-Fi como parte da franquia de dados mensal do usuário, ou estipular um acesso gratuito em offload para determinados planos.

Outra forma de monetizar é a de selecionar aqueles que não utilizam a rede móvel para determinado tráfego, como atualização de aplicativos ou download de imagens/vídeos no WhatsApp. "Com isso, pode-se fazer marketing direcionado para aqueles clientes nos quais se identificou o comportamento."

Desenhar esse perfil significa ter acesso a informações de navegação do cliente. Mas a questão da neutralidade de rede, no entanto, não é um impedimento, na visão da Openet. "Claro que no Brasil essa discussão é mais complexa por causa da neutralidade e do Marco Civil, mas não é preto no branco, já que esses pacotes que a Claro e a TIM comercializam nem seriam possíveis de outra forma", defende Ferreira.

O diretor de serviços da Openet não divulga quais operadoras brasileiras estão realizando testes, tampouco se alguma está próxima de fechar contrato, mas afirma que uma tele na Espanha já conta com a solução de offload inteligente. Mas ele explica que os casos em estádios durante a Copa do Mundo no ano passado chamaram a atenção das teles para a questão do offload. "As empresas não tinham clareza nessa solução inteligente, e esse questionamento levou a gente a conversar com as operadoras locais, e isso foi um marco", garante.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.