Edital do 5G precisa ser entregue ao TCU cinco meses antes de leilão

A decisão de incluir as faixas milimétricas em 26 GHz na previsão dos leilões de 5G planejados para março de 2020 deve gerar uma "corrida contra o tempo" nos testes com a tecnologia. Um dos motivos para tal é a obrigação da Anatel de informar ao Tribunal de Contas da União (TCU) detalhes como valoração e regras do certame 150 dias antes de sua realização – ou seja, antes do final deste ano.

"Há um grande trabalho que temos que fazer junto com o TCU, pois temos que mandar o edital 150 dias antes já com valoração e regras", afirmou o assessor técnico da agência, Humberto Bruno, durante evento realizado nesta terça-feira, 26, em São Paulo. Dessa forma, uma definição sobre a viabilidade da inclusão das ondas milimétricas seria necessária entre os meses de outubro e novembro. "Estamos correndo contra o tempo porque sabemos da capacidade dessa faixa. Nós vimos isso na China e nos EUA, onde alguns provedores já estão usando, sobretudo para WTTH". Segundo o técnico, a agência não descarta a possibilidade de leiloar o 26 GHz "logo na sequência" caso a análise não seja concluída a tempo para o certame de março de 2020.

Bruno lembra que, conforme informado por este noticiário, "informações mais refinadas" sobre o uso das ondas milimétricas devem surgir durante a Conferência de Radiocomunicação da UIT. Ainda assim, a intenção da agência é se antecipar ao congresso, que se estenderá de 28 de outubro até 22 de novembro. "Estamos avaliando a extensão [da banda], quem está usando ela atualmente, e possíveis formas de tirá-los ou não. Precisamos definir como ela vai ser dividida, para evitar também interferências abaixo dessa faixa", reiterou. Ainda não há prazo certo para a conclusão dos testes teóricos e o início dos testes de campo da tecnologia.

"Até a última informação que eu tive, a faixa de 26 GHz estava bem limpa, então não teríamos problema com limpeza", prosseguiu o assessor técnico. "Ela é mais tranquila, diferente do 3,5 GHz, que tem necessidade de harmonização com recepção parabólica". Neste caso, a expectativa é de conclusão dos testes de campo até o fim do mês que vem; os trabalhos estão sendo realizados no Centro de Referência Tecnológica (CRT) da Claro na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.