Receita da Telefónica fica estagnada no semestre

Foto: Pixabay

O grupo Telefónica encerrou a metade do ano com receita estagnada, em grande parte por causa do desempenho também sem evolução na Espanha e por impacto da variação cambial no Brasil e na Argentina. Conforme mostrou no balanço financeiro do segundo trimestre divulgado nesta quinta-feira, 25, a companhia espanhola controladora da Vivo observou redução no lucro no período, embora afirme que se encontra "de volta ao crescimento sustentável".

No trimestre, a receita da empresa ficou estável em relação ao mesmo período em 2018 e totalizou 12,142 bilhões de euros. No acumulado do semestre, houve queda de 0,9%, somando 24,121 bilhões de euros. A empresa destaca que a banda larga e outros serviços de conectividade já representam 55% das receitas totais e "estão, cada vez mais, menos expostas à regulação".

Do montante total, a operação da Vivo no Brasil é responsável por 21% – atrás da doméstica na Espanha, que contribuiu com 26% na receita. A operação espanhola ficou praticamente estagnada, com variação positiva de 0,3%, total de 3,175 bilhões de euros no trimestre. No acumulado do ano, a variação foi a mesma, com total de 6,283 bilhões de euros. De todo modo, o grupo espanhol afirma que a depreciação do real brasileiro e do peso argentino frente ao euro afetou negativamente os resultados, embora tenha apresentado melhora sequencial. Considerando a conversão para a moeda europeia, a Vivo registrou queda de 2,2% na receita no trimestre, totalizando 2,467 bilhões de euros.

O lucro operacional antes de depreciação e amortização (OIBDA) no trimestre foi de 4,438 bilhões de euros, um incremento de 4,7% no comparativo anual. O OIBDA nos primeiros seis meses foi de 8,702 bilhões de euros, avanço de 7,4%. A margem OIBDA foi respectivamente de 36,5% (aumento de 1,7 p.p.) e de 36,1% (avanço de 2,8 p.p.).

Por sua vez, o lucro operacional apresentou queda de 12,4% no trimestre (total de 1,804 bilhão de euros) e de 6,6% no semestre (total de 3,454 bilhões de euros). O lucro líquido atribuível a acionistas foi respectivamente de 862 milhões de euros (redução de 4,5%) e de 1,787 bilhão de euros (aumento de 2,8%).

Os investimentos no semestre totalizaram 3,385 bilhões de euros, uma redução de 13,9%. Do total, 934 milhões de euros (aumento de 10%) foram para a Vivo no Brasil, especialmente para a implantação da rede FTTH em 21 novas cidades e para a expansão da rede 4G para um total de 3.166 cidades.

A companhia também ressalta a redução da dívida pelo nono trimestre consecutivo, encerrando junho em 40,230 bilhões de euros (redução de 5,7% no comparativo anual). Grande parte do desempenho se deu pela geração de fluxo de caixa livre de 2,756 bilhões de euros no semestre (avanço de 78%).

Operacional

No campo operacional, a Telefónica destaca ter ultrapassado a marca de 121 milhões de homes-passed com tecnologia FTTx e cabo na combinação das unidades da Europa e da América Latina, o que afirma ser a maior rede do tipo fora da China. Desse total, 53 milhões de premissas utilizam a infraestrutura de fibra do grupo espanhol.

A empresa encerrou a metade de 2019 com crescimento em todos os serviços: 121,5 milhões de acessos LTE (18%), 124,5 milhões de acessos móveis (6%), 13,6 milhões de FTTx/cabo (18%) e 8,8 milhões de TV paga (3%).

Em comunicado, o chairman e CEO da Telefónica, José María Álvarez-Pallete, declarou: "Estamos de volta ao crescimento sustentável e lucrativo". Ele destaca os segmentos de alto valor, garantindo um aumento de 4,4% na receita média por acesso, enquanto manteve o churn estável. "Isso mostra que nossa estratégia comercial está colhendo frutos, apoiado pelas redes cada vez mais avançadas que nos permitem servir melhor às demandas dos consumidores", afirmou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.