Com acordo com TIM, Vivo quer liberar espectro 2G para usar em 4G

[Atualizada em 25/07] A Telefônica/Vivo forneceu mais detalhes sobre o memorando de entendimento (MoU) celebrado com a TIM para compartilhamento de infraestrutura. Durante teleconferência de resultados nesta quarta-feira, 24, o CEO da Vivo, Christian Gebara, confirmou que a ideia é realmente expandir o acordo para outras tecnologias, até mesmo o 3G, mas também indicou um dos fundamentos da estratégia: otimizar operação para realocar recursos para novas tecnologias. Isso deve incluir não apenas o 5G, mas potencialmente o refarming de espectro 2G para ser utilizado no LTE-Advanced.

O compartilhamento total de rede em uma tecnologia legada como o 2G servirá basicamente para otimizar e liberar recursos, explicou Gebara. "A ideia é trabalhar para um Single Grid para que possamos dividir a cobertura e dar metade do País para cada uma, podendo usar os recursos para outras tecnologias como 3G ou 4G", declarou ele. O plano será de começar essa estratégia fora das capitais em caráter de testes. Conforme os resultados se mostrarem positivos, isso seria expandido. 

Ainda que indique o refarming, a Vivo não acertou ainda os detalhes técnicos com a TIM a respeito desse acordo. A operadora do grupo Telefónica conta com espectro em 1.800 MHz e em 900 MHz com a tecnologia 2G, mas informou a este noticiário que esses aspectos não foram finalizados – o plano deverá ser entregue às autoridades (Anatel e Cade) para aprovação daqui a cerca de três meses.

De toda forma, liberar espectro em 2G é importante especialmente por conta da faixa de 1.800 MHz. Ambas as operadoras já praticam o refarming com esse espectro, realocando para a agregação de portadoras no LTE-Advanced. Com o compartilhamento, as empresas podem otimizar o uso dessas frequências. Além disso, deixa o mercado mais próximo de um eventual desligamento da tecnologia GSM, já obsoleta, mas ainda com 20,8 milhões de acessos no País. "O MoU com a TIM também traz a habilidade de poder investir em mais cidades e em outras tecnologias de alta velocidade", declarou o executivo.

Outro aspecto do acordo é o compartilhamento em 700 MHz. Desta vez, seria mais direto: as empresas primeiro implantarão em cidades com menos de 30 mil habitantes. Conforme o desempenho da estratégia fosse analisado, as operadoras poderiam expandir o acordo. "Depende dos resultados, mas estamos positivos de que isso pode funcionar. Temos 90 dias para concluir o plano e ainda precisamos de aprovação [do Cade e da Anatel], mas no curto prazo vamos poder ter impacto no Capex e na cobertura", analisou Gebara. 

As tecnologias 2G e 4G serão o primeiro passo. O MoU prevê a inclusão de novas tecnologias e mesmo novas frequências, o que foi confirmado pelo executivo agora. Perguntado na teleconferência com analistas de mercado se isso poderia ser feito também com 3G, Gebara respondeu: "A questão era priorizar essas tecnologias, mas claro que vamos considerar fazer tudo".

Para o 5G, a questão também passa por otimização de capital para se preparar para os futuros investimentos do leilão, previsto para o fim do primeiro trimestre de 2020. "Em março deverá ter muito investimento, porque terá a faixa de 700 MHz, além do 3,5 GHz [entre outras]. O que temos feito agora é nos preparar na questão da capacidade: colocamos o máximo possível de fibra nos sites", destaca. Segundo o executivo, o guidance de R$ 26,5 bilhões para o triênio 2018-2020 anunciado no ano passado em abril (adicionando R$ 2,5 bi ao valor inicial divulgado um mês antes) está mantido.

Lições 

A TIM e a Vivo já tinham acordo de compartilhamento em 4G tripartite com a Oi, mas com a faixa de 2,5 GHz. Christian Gebara explica que essa parceria, assinada em 2015, era diferente e mais limitada. "Tínhamos 20 + 20 MHz, e eles tiveram que unir [a capacidade] deles, então era muito complexo e limitado", afirma. A companhia dividia infraestrutura com as outras duas operadoras, que já praticavam o RAN Sharing na faixa entre si. Mas o executivo diz que a Vivo implantou 1,3 mil sites, enquanto as outras incluíram cerca de 660 sites por ter capacidade de 10 + 10 MHz. "Não acho que serve como benchmark para a gente."

O novo acordo, por sua vez, tem um escopo maior. "Achamos que o que temos agora com a TIM é mais agressivo, porque tem mais cidades e mais sites", declara o CEO da Vivo. Além da parceria vigente em 4G, TIM e Vivo já compartilham infraestrutura em 3G, em um acordo de roaming celebrado em outubro do ano passado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.