Plano da Highline para a Oi inclui transição 'transparente' da base de clientes

A aposta da empresa de infraestrutura Highline na compra de ativos da Oi tem como objetivo final a operação com rede neutra, mas a transição para os clientes deverá ser suave. A companhia, que ganhou no final da quarta-feira, 22, exclusividade na negociação para a aquisição da Oi Móvel, pretende fazer o mesmo com a área de infraestrutura da operadora, a InfraCo. E a ideia é atuar com diferentes cenários de transição, mas sempre com objetivo final de repassar a base, inclusive para provedores regionais.

No caso da Highline ser bem sucedida com o planejamento de adquirir os ativos da Oi, o repasse aconteceria de forma transparente, e não necessariamente com a "venda" dos clientes. Segundo apurou TELETIME, uma possibilidade é que, em determinadas localidades, um pequeno provedor regional interessado já possa começar uma operação gerando receita – naturalmente, assumindo a base de clientes, mas ele próprio utilizando a infraestrutura da Highline. 

Mas outro resultado ainda poderia acontecer: caso o processo licitatório resulte em um valor maior do que o antecipado pela própria Oi, a própria Oi (ClientCo) poderia "comprar de volta" os usuários. Isso considera que a oferta inicial da Highline seria disputada por outros players, resultando em um ágio acima do antecipado. E assim, não haveria sequer uma transição: os clientes continuariam sendo da Oi, mas agora usando a infraestrutura da rede neutra. 

Há a possibilidade já aventada de que as grandes operadoras – Claro, TIM e Vivo – comprem a base, conforme descrito anteriormente, ainda que nos contatos iniciais a resposta tenda a ser negativa (ninguém quer dar à Highline a certeza de sucesso no modelo proposto). E existe também a intenção de a Highline participar do leilão do 5G. No caso da operação de atacado com acesso móvel especificamente, o superintendente de competição da Anatel, Abraão Balbino, mencionou nesta quinta-feira, 23, que há necessidade de alteração regulatória para que o modelo de negócios possa funcionar conforme esperado.

Lease back

Conforme apurado por TELETIME, a companhia e sua controladora, a Digital Colony, estão preparadas para a etapa de transição, incluindo nos investimentos acima de R$ 16 bilhões (R$ 15 bilhões do valor mínimo proposto pela Oi para a operação móvel e mais de R$ 1 bilhão pela unidade de torres da operadora). Além da possibilidade de conseguir retorno sobre a base, haverá condicionante de que a operadora que comprá-la terá que usar a rede da Highline, em um contrato de uso de rede de 10 a 15 anos. 

O movimento é semelhante ao que aconteceu com o mercado de torres, no qual as operadoras venderam esse ativo para as chamadas "tower companies", que então estabeleciam contrato de "lease back". Assim, as teles conseguiam melhor liquidez com a venda dos ativos, mas ainda os utilizaria alugando de terceiros. Isso liberava caixa para continuar investindo em espectro, por exemplo. (Colaborou Samuel Possebon)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.