Highline ganha exclusividade na negociação pela Oi Móvel; empresa quer a rede e negociará os clientes

A Oi deu à Highline a exclusividade da negociação para a venda da Oi Móvel até o dia 3 de agosto. Ou seja, por enquanto, a proposta feita pela Claro, TIM e Vivo fica na fila. A Highline é uma empresa operadora de torres que tem por trás o fundo Digital Colony e mais um consórcio de investidores em infraestrutura, mas ao contrário do que foi ventilado na imprensa, está sozinha na corrida pelos ativos da Oi, sem a Algar.

Segundo fato relevante publicado pela Oi na noite desta quarta, 22, foi celebrado acordo de exclusividade com a Highline, "que apresentou, por meio do assessor financeiro da Oi, Bank of America Merrill Lynch ('BofA'), a melhor oferta vinculante, acima do preço mínimo estabelecido, para aquisição, em processo competitivo (…) da operação de telefonia móvel das Sociedades Oi ('UPI Ativos Móveis'), na forma prevista no aditamento ao Plano de Recuperação Judicial". Pelo acordo, "a Companhia concedeu à Highline exclusividade para, observados os termos e condições previstos no Acordo e mantidos os termos econômicos da proposta vinculante apresentada, negociar os documentos e anexos relativos à Oferta".

Ainda segundo a proposta, o acordo visa "(i) garantir segurança e celeridade às tratativas em curso entre as Partes; e (ii) permitir que, uma vez satisfatoriamente finalizadas as negociações dos documentos entre as Partes, a Oi tenha condições de pré qualificar a Highline, na condição de 'stalking horse', para participação no processo competitivo de alienação da UPI, garantindo assim o direito de cobrir ('right to top') outras propostas recebidas no referido processo". A outra proposta foi a feita pelas operadoras Claro, Vivo e TIM e que gozava, até aqui, da preferência. Segundo o fato relevante da Oi, o acordo de exclusividade com a Highline tem vigência inicial até o dia 03 de agosto de 2020, podendo ser prorrogado mediante acordo entre as partes. A íntegra do fato relevante da Oi está disponível aqui.

O que planeja a Highline

TELETIME apurou que a Highline quer comprar a Oi inteira, da operação móvel à rede de fibra (InfraCo), passando pela unidade de torres, para a qual já fez uma oferta de R$ 1,07 bilhão. O plano da empresa não é ser operadora de serviços ao consumidor final, mas sim operadora de rede. A Highline desenhou um projeto inédito no Brasil no qual, se conseguir sucesso nas negociações pelos ativos da Oi, será uma operadora de rede neutra em todos os níveis. Os clientes da Oi Móvel, por exemplo, serão vendidos depois às concorrentes em um leilão estruturado, em que um dos itens será o compromisso das empresas compradoras de utilizarem a infraestrutura de torres, rádio e espectro da Oi Móvel. Idem para a InfraCo, unidade de redes de fibra da Oi com 400 mil km de rede, que está em processo de negociação e para a qual a Highline também deve fazer uma oferta.

A Highline não está fazendo essa aposta ao lado da Algar, como se veiculou. Aliás, segundo fontes qualificadas, a Algar não está no páreo da Oi Móvel, por enquanto. A empresa, que hoje opera torres no Brasil, está suportada por fundos de investimento em infraestrutura que decidiram apostar em um modelo completamente diferenciado de negócio no Brasil, o de operação de rede pura, sem competir com os prestadores de serviço na ponta. Os planos da Highline são agressivos e incluem ainda a participação em um futuro leilão de 5G, segundo apurou o TELETIME.

Digital Colony

A Highline tem passado por transformações nos últimos anos. Em 2017, a empresa vendeu ativos para a SBA Torres Brasil, do grupo norte-americano SBA Communications, que também atua no mesmo mercado de "towercos". A transação foi aprovada pelo Cade em novembro do mesmo ano. A própria Oi já havia vendido torres para a SBA em 2013 e 2014. Foram três transações, com um total de R$ 3,384 bilhões (valores da época). Em 2019, a investidora de infraestrutura Digital Colony adquiriu 100% da Highline do Brasil. Vale destacar que a Digital Colony, por sua vez, adquiriu data centers do Grupo Folha (UOL Diveo) em abril.

2 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns a Oi e a esses investidores, já que a mesma poderá alugar toda a infraestrutura para
    continuar suas atividades como se fosse uma operadora virtual

  2. Se isso vier a ocorrer, será ótimo, pois fomentará ainda mais a competição. Isso, na verdade, já existe através no MVNO, Porém, ficará melhor já que a operadora que provê a rede não competirá com seus clientes. Eles querem adotar o mesmo modelo da Infra Co. E adivinhem quem poderá vender os planos da Móvel Co no modelo da Highline? Sim, a própria Oi.

    Neste caso, a Oi não precisaria mais investir em rede móvel e a Highline teria que fazer um investimento gigantesco após comprar a Oi pra atualizar a rede.

    Se a Oi estivesse bem, ela poderia fazer tudo isso sozinha, mas não dá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.