Publicidade
Início Newsletter Telebras amplia receita em 2021, mas prejuízo chega a R$ 126 milhões

Telebras amplia receita em 2021, mas prejuízo chega a R$ 126 milhões

Mesmo com uma alta de 7,1% na receita líquida ao longo de 2021, sobretudo por conta do atendimento de políticas públicas, a Telebras não saiu do vermelho e encerrou o ano passado com crescimento de quase 20% no prejuízo, para R$ 126,8 milhões.

Os números, publicados na noite da última sexta-feira, 18, apontaram um faturamento líquido de R$ 285,6 milhões na estatal em 2021. Em termos brutos, a receita somou R$ 344 milhões, dos quais R$ 283 milhões relacionados ao fornecimento de Internet (em alta de 3,1%).

A principal fonte do segmento foi o programa Gesac, que ao final de 2021 somava 13,4 mil pontos geradores de receita (dentre um total de 15,7 mil contabilizados pela Telebras). O montante pago pelo governo pela conectividade oriunda do SGDC ficou em R$ 127,8 milhões em 2021, frente R$ 103,9 milhões em 2020.

Notícias relacionadas

Além da execução da política pública, a atuação da Telebras no segmento de segurança garantiu outros R$ 36,4 milhões com a locação de capacidade satelital em banda X para o Ministério da Defesa. Os valores foram praticamente idênticos aos do ano anterior. Em paralelo, a Telebras ainda recebeu R$ 7 milhões da Viasat em forma de compartilhamento de receitas da parceria para exploração do SGDC e outros R$ 16 milhões em aluguéis.

Custos

As receitas, contudo, foram superadas pelos custos da estatal – que cresceram 3,1% em 2021, para R$ 348 milhões, mesmo com redução de quadro de funcionários e queda de 10% nos gastos com pessoal (R$ 85,7 milhões).

O avanço foi motivado por maiores custos com meios de conexão e transmissão, incluindo backbone – a rúbrica teve R$ 116 milhões reconhecidos, em alta de 3,4%. Os aluguéis pagos pela estatal também cresceram (68%), para R$ 48 milhões.

Depreciação

Adicionalmente, os valores reconhecidos pela Telebras como depreciação e amortização subiram 18,4% em 2021, atingindo R$ 254 milhões. A explicação da empresa é relacionada à transferência de bens e instalações “em andamento” para o status “em serviço” durante 2020 e 2021 – sendo o maior volume vinculado ao segmento satelital, em virtude da conclusão de obras do Centros de Operações Espaciais do projeto SGDC.

Subvenções

O que impediu um resultado ainda mais negativo para a estatal foram R$ 250,4 milhões recebidos do governo federal na forma de subvenções (contra R$ 216 milhões em 2020). Os valores foram destinados ao custeio de investimentos e pagamento de pessoal, na medida em que a estatal é classificada dependente do Orçamento da União desde 2020.

Considerando o repasse, a Telebras teve um Ebitda ajustado de R$ 179,5 milhões em 2021 (+23%), uma vez que os valores milionários de depreciação e amortização não entram no cálculo. Já sem as subvenções do governo federal, o indicador ajustado ficaria negativo em R$ 70,8 milhões.

Na soma de todas as cifras, o prejuízo apurado pela estatal no exercício de 2021 ficou em R$ 126,8 milhões. A cifra é 19,4% maior que os R$ 106,2 milhões registrados no ano de 2020.

Dataprev

Além dos resultados financeiros, a Telebras também divulgou na sexta-feira um acordo com a Dataprev para prestação de serviço de comunicação IP via satélite em localidades não atendidas por circuitos terrestres.

Contratado em processo de inexigibilidade de licitação, o acordo de dezoito meses teve valor global calculado em R$ 155,1 milhões. Em fato relevante, a Telebras classificou a cifra como “meramente estimativa, de forma que os pagamentos dependerão dos quantitativos de serviços prestados”.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile