Snowden pede asilo ao Brasil, mas governo decarta interesse em investigar a NSA

O ex-consultor da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA, Edward Snowden, pediu asilo político ao Brasil e, em troca, promete fornecer mais informações sobre o esquema de espionagem ao País feitas pelo governo norte-americano. Snowden enviou uma carta aberta a autoridades que foi publicada no Facebook pelo brasileiro David Michael Miranda, namorado do jornalista do The Guardian Glenn Greenwald, que revelou o esquema originalmente. O conteúdo foi divulgado pelo jornal Folha de São Paulo nesta terça-feira, 17.

O jornal apurou, no entanto, que o governo brasileiro não tem interesse em investigar a NSA e, portanto, não pretende conceder asilo a Snowden. Segundo a Folha, o Ministério das Relações Exteriores destaca como "positivo" trecho da carta em que ele pede uma mobilização em defesa da privacidade e dos direitos humanos básicos, que estariam em risco por causa de ações como as da NSA, mas ressalta que o Brasil respeita a soberania de outros países e não pretende "dar o troco" nos EUA.

Na carta, Snowden relembra as denúncias e se diz testemunha do programa de monitoramento de "populações inteiras" que "ameaça virar o maior desafio aos direitos humanos de nossa época", citando inclusive a presidenta Dilma Rousseff. "A NSA e outras agências espiãs nos dizem que, para nossa própria 'segurança' [para a segurança de Dilma, para a segurança da Petrobras], revogaram nosso direito à privacidade e entraram em nossas vidas", ironiza.

A razão pela qual Snowden escolheu o Brasil seria por conta do discurso de Dilma no Comitê de Direitos Humanos nas Nações Unidas, há três semanas, no qual ela expôs o problema político. Ele diz que o País levou a entidade "a reconhecer pela primeira vez na história que a privacidade não para onde a rede digital começa, e que o monitoramento em massa de inocentes é uma violação dos direitos humanos". No texto, ele não pede pelo asilo diretamente ao governo brasileiro. "Se o Brasil escutar apenas uma coisa de mim, que seja isto: quando todos nós nos juntarmos contra a injustiça e em defesa da privacidade de dos direitos humanos básicos, nós poderemos nos defender mesmo contra os sistemas mais poderosos."

Atualizada às 17h50.

Segundo a Folha, Snowden tomou o cuidado de não citar diretamente Dilma para não causar um incômodo diplomático ao governo russo, que o hospeda desde junho deste ano. Entretanto, o jornal cita Greenwald, que garantiria que a intenção de Snowden é realmente vir ao Brasil, onde poderia gozar de maior liberdade para mais revelações.

Ainda de acordo com o diário, Snowden já havia pedido asilo em junho a diversos países, obtendo resposta favorável de Bolívia, Nicarágua e Venezuela, mas não do Brasil — que seria seu lugar de preferência por ser "forte politicamente e onde as revelações tiveram um impacto real". Dessa vez, com as revelações de espionagem a própria Dilma e à Petrobras, ele espera que o governo brasileiro possa mudar de opinião, ainda que isso naturalmente crie um problema diplomático nas já abaladas relações com os EUA.

Por sua vez, David Michel convoca brasileiros a assinar uma petição online no site da Avaaz.org que será entregue à presidente Dilma Rousseff em favor da concessão do asilo a Snowden. No final da manhã desta terça, a petição contava com quase 3 mil assinaturas.

Acusações

A carta acusa a agência americana de espionagem não apenas de líderes de Estado, mas também de pessoas comuns. "Hoje, se você usa um celular em São Paulo, a NSA pode e vai monitorar sua localização: eles fazem isso 5 bilhões de vezes por dia com pessoas do mundo todo", diz. Segundo Snowden, a agência ainda grava histórico de navegação na internet e guarda registros de ligações por cinco anos ou mais. "Eles até monitoram quem está tendo um caso (amoroso) ou vendo pornografia, no caso de precisarem ferir a reputação do alvo."

Snowden ressalta que, contrariamente aos argumentos políticos dos senadores americanos, o programa não se trata de segurança antiterrorismo, mas de "espionagem econômica, controle social e manipulação diplomática". Ele diz que senadores brasileiros o procuraram para pedir ajuda nas investigações de suspeitas de crimes contra cidadãos brasileiros, e que ele se prontificou a ajudar, "mas, infelizmente, o governo dos EUA tem trabalhado duro para limitar minha habilidade de fazer isso, indo ao ponto de deter em solo o avião presidencial de Evo Morales (presidente da Bolívia) para me impedir de viajar à América Latina". Ele diz que, enquanto não tiver um asilo político, o governo norte-americano vai interferir nas comunicações.

Atualização

Pelo Twitter, o jornalista Glenn Greenwald desmentiu informações da Folha de São Paulo. Greenwald afirmou que a carta aberta de Snowden foi "mal interpretada" e que o ex-consultor da NSA não pediu asilo no texto, ressaltando apenas que ainda mantém o pedido anterior – ou seja, não havia um novo pedido formal. A carta teria sido endereçada apenas para os senadores brasileiros que solicitaram ajuda para uma investigação criminal em uma Comissão Parlamentar de Inquérito.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.