PT considera analisar renegociação dos termos da fusão, mas reconhece dificuldades

O extenso documento divulgado pela Portugal Telecom (PT SGPS) na noite de quinta, 15, na Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), admite a possibilidade de investigar uma possível brecha no contrato de fusão com a Oi por conta da venda da PT Portugal, mas chega de várias maneiras a uma mesma conclusão: a dor de cabeça provocada ao tentar impedir o acordo seria grande para todos, e não permitir a venda do ativo à Altice prejudicaria não apenas a brasileira, como a própria PT SGPS. Isso porque a portuguesa tem como principal ativo o investimento na Oi, e a manutenção da saúde financeira da empresa, segundo a avaliação da própria PT, depende da continuidade das transações.

Notícias relacionadas
"Os juristas de direito brasileiro consultados consideram o aumento do capital social da Oi legalmente irreversível", diz o documento. No entender do conselho de administração da PT SGPS, alegar descumprimento contratual nos acordos do processo de fusão, como sugeriu o ex-presidente da PT, Henrique Granadeiro, seria uma invocação "naturalmente contestada, conduzido as partes a um litígio, de duração imprevisível, nos tribunais brasileiros, prolongando o impasse sobre a situação da PT Portugal e gerando um inevitável processo de destruição de valor para todas as partes envolvidas".

Apesar disso, a PT SGPS afirma estar analisando as conclusões do relatório da PwC divulgado na semana passada e as "possíveis medidas a tomar para esclarecimentos dos fatos" e apuração de responsabilidades. A empresa diz que irá analisar em que medida o relatório e "outros fatos" que possam surgir poderiam "justificar uma eventual iniciativa de renegociação dos termos da permuta e de outros aspectos dos acordos firmados com a Oi, bem como a propositura de ações judiciais de responsabilidade". Essas ações não impediriam a votação no dia 22 para a aprovação da venda da PT Portugal para a Altice.

Uma brecha que permitiria anular esse acordo foi citada em uma conclusão levantada em uma carta do dia 6 de janeiro enviada à CMVM pelo presidente da mesa da assembleia geral da PT SGPS, António Menezes Cordeiro. Nela, ele afirma que os contratos entre PT SGPS e Oi foram "inadimplidos desde o momento que esta ajustou a venda da PT Portugal" e que, por esse suposto descumprimento, a portuguesa poderia, tanto pela lei de Portugal quanto pela do Brasil, "resolver o contrato". Isso teria efeito retroativo e a colocaria na posição imediatamente antes da celebração do contrato, recuperando a PT Portugal e devolvendo ações em troca.

Ou seja, toma como base que a fusão estaria comprometida por conta do processo de venda da PT Portugal. No entanto, conforme argumentou a Oi no comunicado à imprensa enviado nesta sexta-feira, 16: o ativo PT Portugal foi incluído justamente no processo de aumento de capital da companhia brasileira, operação que já foi homologada e, por isso, estaria juridicamente concluída. Considera, portanto, a fusão como irreversível. E, conforme reconhece a portuguesa, os memorandos de entendimento celebrados entre a PT SGPS e a Oi "impõem às partes o dever jurídico de prosseguir a combinação de negócios das duas empresas".

Destinação

Não significa que a PT SGPS esteja completamente satisfeita com o rumo do imbróglio. O documento classifica que a aprovação da proposta de venda da PT Portugal "representará o abandono do objetivo de existência de 'um operador de telecomunicações líder, cobrindo uma área geográfica de 260 milhões de habitantes e cerca de 100 milhões de clientes' deixando a Oi de deter qualquer ativo operacional localizado em Portugal". E ressalta que o principal ativo da PT SGPS, as ações na Oi, levariam ao fato de que o investimento da empresa seria concentrado operacionalmente no mercado brasileiro.

Ainda põe em dúvida se o valor arrecadado com a transação seria realmente usado ou para consolidação, ou para pagar a dívida, já que seria uma decisão futura e que a PT SGPS, como minoritária, não teria como antever. A companhia portuguesa ressalta incerteza. "A PT SGPS não pode garantir ou prever qual o uso subsequente de caixa pela Oi." Diz ainda que não sabe o que seria feito com o endividamento da PT Portugal, inclusive se a possibilidade de transmissão da dívida para uma subsidiária passaria pelo consentimento de credores.

A PT SGPS cita o possível envolvimento do ex-presidente Zeinal Bava no caso RioForte ao dizer que "foram identificadas referências a que o presidente executivo da Oi, à data, tinha, ou deveria ter conhecimento acerca da realização de tais investimentos, fato que carece de comprovação e que carece de análise complementar". Mas não dá mais detalhes sobre quais atitudes pretende tomar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.