MediaTek investe no Brasil com chipsets para smartphones

Apesar da presença ainda esmagadora de aparelhos mais simples sem recursos de Internet (chamados de feature phones), o mercado de telefonia móvel vem passando por uma revolução com os smartphones, que apontam como o futuro para o setor, mesmo em países em desenvolvimento como o Brasil. Por isso a aposta da fabricante de semicondutores taiwanesa MediaTek no segmento de aparelhos inteligentes é considerada como um avanço natural no País, principal foco estratégico da empresa na América Latina, ao lado do México. Na verdade, segue também o interesse da indústria de handsets, que recentemente observou a entrada de players locais com tradição em eletrônicos, como Positivo, CCE e Gradiente. 

Não que uma área anule a outra. A MediaTek já conta com uma forte presença no Brasil com os feature phones, com 30% de market share estabelecido com as operadoras TIM e Vivo e com marcas como Motorola, LG, Huawei, ZTE e Alcatel. Agora a estratégia é ganhar mais terreno. "O que estamos querendo no futuro é repetir o nosso sucesso, agora com smartphones", explica o diretor de marketing e desenvolvimento corporativo para a América Latina da companhia, Russ Mestechkin. "Queremos ver o mesmo sucesso de crescimento, energia e oportunidade na região", diz.

Uma das estratégias iniciais da empresa foi investir no desenvolvimento de hardware adaptável para a realidade de uso brasileira. A companhia foi uma das primeiras a fornecer chipsets para aparelhos capazes de lidar com dois ou mais SIMcards, permitindo ao usuário utilizar a operadora (e a rede) que mais bem atende à necessidade no momento, economizando com as ofertas on-net. Mesmo com a mudança de regras de interconexão prevista pelo Plano Geral de Metas de Competição (PGMC), a empresa não considera que a venda de handsets multichips vá esfriar tão cedo. 

Para smartphones, o que a MediaTek tem a oferecer para os fabricantes brasileiros, segundo Mestechkin, é um modelo de negócios que se baseia em entregar uma plataforma semipronta, faltando apenas a personalização de especificações e de software. Com as soluções turnkey, a empresa acredita que consegue fazer os clientes economizarem com pesquisas e desenvolvimento ao eliminar a redundância de investimento para cada novo handset, além de reduzir o time-to-maket.

Recursos avançados

A ideia é aproveitar o crescente mercado de smartphones de entrada, visando as classes C e D com aparelhos mais baratos, agora beneficiados pela Lei do Bem, mas também procurando oferecer as melhores especificações possíveis com base no modelo de chipsets pré-desenvolvidos da MediaTek, entregando sistemas com conexões Bluetooth, Wi-Fi, EDGE (2G) e WCDMA (3G); foco no Android; e com experiências multimídia comparáveis àquela de aparelhos de ponta. "Quando se olha para outras plataformas, você vê características high-end, como multidisparo de 16 vezes, alto alcance dinâmico, estabilizador de imagem – já temos isso em nossa plataforma", diz o gerente geral da MediaTek, Finbarr Moynihan, citando funcionalidades de câmeras para os devices.

Ele diz que o mesmo esquema de chipsets também acaba sendo aproveitado por fabricantes para montar tablets, embora não seja o foco principal. "Eles também possuem processador dual-core de 1 GHz e suporte para vídeo 1080p, mas o foco é mais no segmento que inclui conectividade 2G e 3G", explica Moynihan. "Queremos diminuir barreiras para trazer um time-to-market mais rápido e continuamos a melhorar isso. Trazemos uma experiência high-end e é isso que fazemos em nosso roadmap, não apenas no Brasil, mas no mundo inteiro", completa Russ Mestechkin.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.