É difícil fixar regras para 5G sem definição de consolidação, afirma TIM

A TIM acredita que a definição de regras para o leilão de espectro 5G precisa ocorrer em sintonia com os movimentos de consolidação do setor, que podem evoluir ao longo de 2020 – sobretudo no que tange uma eventual venda de ativos da Oi, como a Oi Móvel.

"É difícil definir regras do 5G sem a consolidação de mercado. Se tivermos cinco players, as regras serão para cinco. Já se tivermos três, elas precisam refletir esse cenário. A consolidação deve acelerar o 5G. Sem ela, fica mais difícil", afirmou nesta quarta-feira, 12, o CEO da TIM, Pietro Labriola, em teleconferência sobre os resultados financeiros da empresa no quarto trimestre de 2019.

Na ocasião, Labriola reafirmou o interesse em ativos de competidoras que sejam colocados à venda. "Nossa posição financeira melhorou porque estamos nos preparando para a consolidação. Estamos prontos e há ativos que devem ser colocados à venda no mês que vem", pontuou o executivo. "Um dos players chave [para o processo de consolidação] está acelerando", prosseguiu Labriola, sem, no entanto, citar nominalmente a Oi. O principal interesse da TIM, como já afirmado anteriormente, seria a aquisição de frequências e clientes.

Vice-presidente de assuntos regulatórios e institucionais da TIM Brasil, Mario Girasole seguiu o mesmo caminho ao afirmar que "haverá ganho no 5G quando entendermos quantos players existem". A companhia, contudo, não projeta um movimento fora do comum no capex por conta da implementação da tecnologia de quinta geração; em vez disso, acredita que medidas como acordos de compartilhamento abram espaço para uma alocação mais eficiente dos recursos disponíveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.