Sawiris firma parceria com grupo de bondholders da Oi para plano de RJ alternativo

Copyright World Economic Forum (www.weforum.org)/Photo by Nader Daoud

O comitê diretivo do grupo ad hoc de bondholders da Oi e o Grupo Sawiris, do empresário egípcio Naguib Sawiris, controlador da tele Orascom, estabeleceram nesta terça-feira, 11, um acordo de colaboração mútua para desenvolver um plano alternativo de recuperação judicial (RJ) da companhia brasileira e suas subsidiárias. A parceria prevê que o trabalho nessa alternativa seja feito com o apoio dos demais credores e outros stakeholders "que efetivamente enderece os desafios da estrutura de capital" da companhia, prevendo um novo aporte após sua implantação. O grupo de bondholders acredita que o plano apresentado pela Oi em setembro "inapropriadamente privilegia os acionistas existentes em detrimento dos credores".

Além do plano de recuperação judicial alternativo, o comitê diretivo e o Grupo Sawiris pretendem elaborar um plano de operação pós-RJ. "O plano alternativo de recuperação contemplará, entre outras coisas, com novo capital e investimentos consideráveis". O comunicado enviado pela assessoria de imprensa que representa o grupo de bondholders não especifica a origem desse novo capital, mas indica que viria da parte da companhia egípcia.

O acordo de colaboração mútua faz parte do conjunto de medidas e esforços do comitê e dos assessores legais e financeiros (Cleary Gottlieb Steen and Hamilton LLP como assessores internacionais, Moelis & Company como consultores financeiros e Pinheiro Neto Advogados assessorando questões jurídicas no Brasil) no desenvolvimento de um novo plano. A ideia é obter apoio dos credores da companhia que se sentem desamparados com o plano apresentado pela administração da empresa.

No comunicado, Sawiris disse estar confiante na perspectiva macroeconômica do Brasil e na parceria. "Nós acreditamos que, ao apoiar o comitê de bondholders, junto com a nossa experiência no segmento, nós ajudaremos a Oi em uma solução ganha-ganha a atingir resultados positivos para todos os interessados." O representante do comitê e da consultoria financeira Melis & Company, Otavio Guazzelli, afirmou que o grupo continua acreditando em uma solução consensual, "apesar do desapontamento com a falta de engajamento da Oi" na negociação de um plano de RJ com grupos de credores. No comunicado, o comitê diz ainda que "até o momento a companhia e seus administradores não estabeleceram qualquer negociação". E afirma que continua dialogando com outros credores relevantes da Oi para a elaboração do plano alternativo de recuperação judicial.

O Grupo Sawiris é controlador da Orascom Telecom, operadora com atuação no Oriente Médio, África, Ásia e América do Norte. Em 2005, o empresário egípcio liderou a compra do controle acionário Wind Telecomunicazioni, terceira maior operadora da Itália, consolidando-a depois com a Vimpelcom. Vale lembrar que Naguib Sawiris mostrou interesse na Telecom Italia – e, consequentemente, no controle da TIM Brasil – em 2012 e 2014. Com essa parceria com o grupo de bondholders da Oi, o empresário poderia assim tentar uma nova porta de entrada no Brasil.

1 COMENTÁRIO

  1. Nos EUA e Europa os credores assumem a empresa em caso de recuperação judicial. Aqui no Brasil quem faz a proposta de como a empresa vai se recuperar (PLANO DE RECUPERACAO) são os acionistas, cabe aos credores aceitar ou não.

    Desta forma se os credores fundos abutres (compraram as dívidas bonds por 10% do valor )e esse egípcio são tão bonzinhos e querem tanto recuperar seu dinheiro e assumir a empresa, por quê não fazem uma oferta hostil de aquisição das ações dos pequenos acionistas e aí fazem o plano de recuperação que quiserem, senão, que parem de choramingar e aceitem ou recusem o plano de recuperação que é seu direito.

    O que querem na verdade é tomar a empresa oi com seu grande patrimônio bem barato e dar um chega pra lá no restante dos acionistas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.