Apple Pay deverá enfrentar forte concorrência da Samsung no Brasil, prevê Mastercard

Enquanto o serviço de pagamentos móveis Apple Pay não chega ao Brasil, a concorrência pode acabar se antecipando. Essa é a opinião do diretor sênior e head de produtos digitais do Cone Sul da América Latina para a MasterCard, Marcelo Theodoro, que vê maior oportunidade para na sul-coreana Samsung por conta de sua maior presença no mercado brasileiro. "O Brasil tem grande potencial. A Apple está olhando para cá, mas provavelmente a Samsung olha ainda mais porque é dona de 85% a 90% do mercado", disse ele após debate de empreendedorismo no auditório da Faculdade de Informática e Administração Paulista (FIAP) nesta sexta-feira, 10.

Theodoro explica que o Brasil já é um mercado grande para pagamentos sem contato direto (contactless), como é o caso desses recursos de smartphones com NFC, já que as máquinas de POS possuem essa tecnologia e estão difundidas no País. Segundo o diretor da MasterCard, há uma presença maior dessas máquinas entre pequenos comerciantes, mas já há projetos com grandes varejistas, como o Carrefour (com a solução PinPad), para implantar pagamentos contactless também. "Estamos trabalhando para que isso funcione com mobile, não apenas no Brasil, mas no mundo".

O vice-presidente sênior para pagamentos emergentes da MasterCard, Daniel Cohen, explica que a empresa tem trabalhado "há muitos anos" para implantar na América Latina a tecnologia de contactless. "Nisso, o Brasil é um dos mercados líderes não apenas na região, mas no mundo. Essa é a infraestrutura, a fundação que nos permite introduzir esses pagamentos por celulares, desde que garantido que (a transação passe) por um elemento seguro", destaca.

A MasterCard, que é uma das parceiras da Apple na implantação do Apple Pay e que, no Brasil, tem a joint-venture com a Telefônica (a Zuum) para pagamentos móveis com inclusão bancária; vai promover um hackaton em São Paulo neste sábado, 11. De acordo com Cohen, serão liberadas as 16 APIs da MasterCard para o evento. Além disso, a bandeira de cartões de crédito também trabalha com o Facebook para permitir o envio de dinheiro entre usuários por meio do aplicativo Messenger. "O negócio é reduzir a fricção", explica o executivo norte-americano. "Temos uma rede que conecta contas de bancos. O que fizemos (com o Facebook) foi conectar pessoas diretamente com essa rede", diz.

Barreiras

Para o diretor de marketing da Ericsson, Jesper Rhode, o maior desafio para emplacar o pagamento móvel no Brasil não é a tecnologia. "O maior obstáculo somos nós, a nossa cultura. Tem que reprogramar a cabeça. A tecnologia está lá, a penetração de smartphones é alta, às vezes nem precisa que seja um smartphone. O que precisamos é mudar o hábito", declara.

O CEO e fundador da iZettle, Jacob de Geer, acredita que 2015 será o ano em que o mobile payment finalmente vai deslanchar no mundo, graças à facilidade na usabilidade da plataforma da Apple. Segundo ele, o total de negócios com pagamentos móveis em 2014 foi de US$ 507 bilhões, e a previsão é de que haja 450 milhões de usuários dessas plataformas nos próximos três anos. "É uma 'guerra das carteiras 2.0', todo mundo tentou nos EUA, mas o problema é que não funcionava em todo canto. O Apple Pay é que vai nos dar momento, porque entrega uma ótima experiência para o consumidor, e acho que será o mesmo com o Samsung Pay", declara.

A iZettle tem atualmente 160 mil usuários cadastrados no Brasil, com crescimento de 10 mil por mês, e alcance de 31% do mercado de mobile POS. Para atacar nessa frente, a empresa sueca está lançando no final de maio um minileitor de cartões para ser conectado ao smartphone via entrada p2 (de fone de ouvido), o que o torna compatível tanto com Android quanto iPhone. Lançado na Europa há cerca de um mês e oferecido de graça por lá, o acessório pode ter outra estratégia no mercado brasileiro. "Não sabemos se será de graça, vai depender do modelo de negócios", diz de Geer.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.