Mercado de cabos submarinos no Brasil passa por cima da crise

Nos próximos dois anos, o Brasil terá uma série de projetos de cabos submarinos saindo do papel, diversificando rotas para além dos Estados Unidos. Ao menos seis sistemas estão previstos até 2018, como o Júnior, cabo do Google para ligar Rio a São Paulo; o Seabras-1, da Seaborn Networks e que ligará São Paulo a Nova York; o BRUSA, rota da Telefónica (e sua subsidiária Telxius) que ligará Brasil aos EUA (passando por Porto Rico); e o cabo Brasil-Europa, da joint-venture Ellalink, a empresa formada pela Telebras e pela espanhola Islalink . A movimentação indica que há uma demanda de tráfego de dados crescente tanto de outros países para o Brasil quanto na outra direção, mesmo em época de crise econômica.

Em duas das iniciativas que estão tomando forma, o cabo Monet, que ligará o Brasil (Santos e Fortaleza) aos Estados Unidos (Boca Ratón, Flórida), e o South Atlantic Cable System (SACS), que ligará Fortaleza a Luanda, há em comum uma empresa por trás dos projetos: a Angola Cables, que reúne os cinco principais operadores de telecomunicação angolanos. No caso do sistema Monet, é em parceria com Google, Antel (Uruguai) e Algar Telecom.

Segundo revelou a este noticiário o CEO da Angola Cables, António Nunes, o projeto do SACS se interligará ao Monet para transmitir dados de Fortaleza para São Paulo e para os Estados Unidos. O investimento recentemente anunciado, de US$ 100 milhões, virá do Banco do Japão para Cooperação Internacional (JBIC, na sigla em inglês), enquanto o Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA) cobrirá os US$ 60 milhões restantes previstos apenas para esse sistema. Ao todo, incluindo o data center na capital cearense, landing stations e o par de fibras no Monet, a companhia investirá US$ 300 milhões.

Nunes garante que o momento de crise macroeconômica, tanto no Brasil quanto em Angola, não impede a aposta na infraestrutura submarina. "Não há mal que dure para sempre", acredita. "A expectativa é grande, se não, não construiríamos; é um investimentos que fazemos com retorno relativamente curto", avalia. Na visão dele, a demanda por dados ainda crescerá muito, especialmente pela importância do País na América do Sul e pelo crescimento da própria Internet na África. "O que estamos fazendo é criar uma ponte, a África é um potencial mercado do futuro, o último grande foco (de crescimento). A ideia de fazer um cabo com os dois (países) é de garantir o futuro." Assim, afirma, haverá um crescimento na economia digital brasileira, que poderá disponibilizar conteúdo para países africanos.

O executivo destaca ainda que os cabos têm previsão de funcionamento de pelo menos 25 anos, o que mostra que são iniciativas de longo prazo. O SACS deverá ser lançado comercialmente em 2018, enquanto o Monet tem previsão para entrar em operação entre o final deste ano e primeiro semestre de 2017.

Espaço para todo mundo

Para quem já está no mercado, a concorrência com as novas rotas não terá grande impacto nos negócios, na opinião do presidente da Level 3 Brasil, Marcos Malfatti. A companhia conta com a rota de 15 mil km do SAC, sistema herdado da Global Crossing e que foi lançado em 2001. O cabo interliga principais países das Américas, incluindo Brasil e Estados Unidos. "Antes, o mercado era muito limitado, com pouca oferta e custo altíssimo", lembra. "Hoje há espaço e demanda (para mais players), mas não acho que vá baratear (o preço dos dados trafegados nos cabos submarinos) porque toda a infraestrutura tem um custo elevado de instalação, de manutenção e de equipamentos", declara. Segundo Malfatti, cada um desses três elementos consome cerca de um terço do custo total dos sistemas submarinos.

O executivo cita como exemplo uma operação de conserto do cabo no Brasil em 2013, operação que custou US$ 6 milhões e levou 29 dias para ser realizada. "Não é barato, tudo isso tem um custo", declara. "Mas tem demanda, e o mundo está ficando pequeno, com grandes empresas de tecnologia que estão basicamente em fibra", justifica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.