Anatel aprova compra da Intelig pela TIM

O Conselho Diretor da Anatel concedeu nesta quinta-feira, 6, anuência prévia à compra da Intelig pela TIM. Com isso, a operadora móvel poderá dar andamento à aquisição anunciada em abril deste ano. Para a agência, o negócio não exige nenhum tipo de restrição inicial. Eventuais sobreposições de licenças e autorizações deverão ser eliminadas em 18 meses como exige a regulamentação da Anatel.
A TIM comemorou a decisão em nota oficial. "A TIM informa que está satisfeita que a Anatel tenha deliberado a anuência prévia da aquisição da Intelig e está aguardando a conclusão de todos os trâmites da operação. A conclusão do negócio, que após a aprovação da Anatel fica mais próxima, contribuirá para modificar estruturalmente o perfil da TIM ampliando as oportunidades de desenvolvimento da empresa", declarou a assessoria da empresa.
A aquisição da Intelig foi acertada por meio de troca de ações. Para que o negócio seja consolidado plenamente, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a própria Anatel ainda precisam analisar o cenário do ponto de vista concorrencial. A Intelig também é alvo de disputas judiciais por conta de dívidas contraídas por sua controladora, a JCVO Participações, do empresário Nelson Tanure.

Notícias relacionadas
Nova Oi
A Anatel também deliberou sobre mais uma parte do processo envolvendo a criação da nova Oi. O conselho aprovou a reestruturação societária da Brasil Telecom envolvendo as empresas Techold Participações S/A e Brasilco S.R.L. O processo será encaminhado agora para o Cade. Para a Anatel, a mudança societária pode ser feita sem restrições.
Radiofrequência
A ideia de retomar a venda das "sobras" de radiofrequência para o SMP foi adiada mais uma vez. O conselheiro Plínio de Aguiar Júnior prorrogou seu pedido de vista do processo por mais 45 dias. A agência também deixou de deliberar sobre os pedidos das empresas Telefônica, e TVA para que se prorrogue a autorização para uso do canal de retorno do MMDS na faixa de 2.170 MHz a 2.182 MHz. O assunto foi retirado de pauta pelo conselheiro-relator Antônio Bedran.
A Telefônica terá que aguardar um pouco mais para ver outro processo de seu interesse ser analisado pelo conselho. A conselheira Emília Ribeiro retirou de pauta a análise concorrencial sobre a compra da TVA pela Telefônica. A análise da Anatel é necessária para que o Cade possa dar sequência na avaliação dos impactos da compra no mercado de telecomunicações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.