SGDC não está sendo desperdiçado, afirma Kassab

Foto: Divulgação

Prestes a sair do cargo, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, destacou o programa Internet para Todos como uma das ações efetivas para promover a universalização da banda larga no Brasil. Segundo ele, durante entrevista concedida ao programa Roda Viva, da TV Cultura, nesta segunda-feira, 5, na próxima semana haverá a assinatura de 2 mil prefeituras que estão aderindo à iniciativa, e que isso permitirá já colocar em prática o quarto convênio para utilização do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC). Ele garante que o satélite não está sendo desperdiçado.

Apesar de ter defendido na semana passada a urgência para utilizar o SGDC após anúncio de contrato com a Viasat, Kassab defendeu agora que o governo não estaria perdendo tempo de vida útil do satélite, lançado em maio do ano passado. "A operação é gradual, o consumo de combustível também, na medida em que a capacidade é utilizada", declarou. "Estamos entrando na fase principal de capacidade, sendo que 30% já está funcionando para a Defesa", afirmou, citando outro dos convênios assinados para utilização do satélite – para monitoramento de fronteiras no País.

A parceria com as prefeituras, incluindo a de São Paulo, anunciada na semana passada, é um destaque para Kassab. Ele diz que 2 mil municípios assinarão a partir do próximo dia 12 de março a inscrição no programa Internet para Todos, e reafirmou que em maio deverão chegar as antenas. "Elas trarão conectividade com capacidade de instalação de 200 antenas por dia", declarou.

Notícias relacionadas

Um dos outros convênios para utilização do SGDC é com o Ministério da Educação, para o programa Banda Larga na Escola. "Em quatro anos não teremos nenhuma escola brasileira que não tenha banda larga, serão 7 mil este ano e 15 mil ano que vem", estimou o ministro. Há ainda o convênio com o Ministério da Saúde, para levar conectividade em hospitais em regiões remotas.

Perguntado sobre o programa espacial brasileiro, Gilberto Kassab declarou que o acordo bilateral com o governo da Ucrânia (para lançamento de foguetes na base de Alcântara, no Maranhão), foi "um grande equívoco, reconhecido por todos". Mas que agora esse acordo está sendo desfeito – juntos, os governos teriam gastado cerca de R$ 1 bilhão. "A Ucrânia tem sido muito dura. (Precisamos) retomar projetos em parcerias com países europeus, com os americanos, para ter o protagonismo que o Brasil deve ter", disse.

1 COMENTÁRIO

  1. O consumo de combustível não depende da utilização dos transponders e sim da manutenção do satélite em órbita, portanto o satélite está consumindo vida útil sem produzir receita!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.