Fusões em telecom têm grande risco de fracassar, apontam especialistas

As experiências internacionais com fusões e aquisições de empresas de telecomunicações variam enormemente, e há muitos casos de sucesso e fracasso. Diante de uma nova onda de consolidações, esse foi um dos temas do Mobile World Congress, que aconteceu esta semana em Barcelona. Existem casos de extremo sucesso, como o da EE (Everything Everywhere), do Reino Unido, resultante da fusão de duas empresas que ocupavam a terceira e a quarta posição no mercado (TMobile e Orange) e se tornou a maior operadora. Segundo Olaf Swantee, CEO da EE, o que contribuiu para o sucesso da operação, iniciada há cinco anos, foi, primeiro, o fato de a empresa ter mudado completamente a sua postura com a fusão.

Notícias relacionadas
"O que propusemos ao consumidor não foi simplesmente combinar duas empresas existentes e conhecidas, mas criar uma nova empresa com um padrão completamente diferente de qualidade e desempenho", disse Swantee. Ele também explicou que foi preciso ter apoio regulatório ao projeto, e para isso o grupo mostrou que a fusão traria um benefício econômico de 0,7 pontos percentuais ao PIB do Reino Unido. "Se não houver foco o risco de dar errado é muito grande. Não pode haver um plano B".

O mais comum são casos inversos, em que a operadora perde o foco e desmorona sobre o próprio tamanho. Foi o caso da Tele2, que chegou a ter operações em 24 países há 10 anos. "Era simplesmente impossível de administrar uma operação desse tamanho, com a escala de assinantes, as distâncias e a complexidade de cada mercado. Hoje estamos em nove mercados e até podemos pensar em alguma expansão, mas isso tem que ser muito bem planejado para não se voltar contra nós depois", diz Mats Granyard, CEO da Tele2.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.