OUTROS DESTAQUES
Ações
Irracionalidade pune Telefônica na Bolsa
quarta-feira, 31 de julho de 2002 , 20h11 | POR REDAÇÃO

As ADRs da Telefônica continuaram caindo na Bolsa de Valores de São Paulo nesta quarta, 31, por conta do risco Brasil. Os papéis, a US$ 26,89, perderam 2,29%, acumulando recuo de 10,36% em cinco dias. As BDRs da empresa perderam no Brasil 0,70%, fechando a R$ 29,99. Para analistas ouvidos por TELETIME News, trata-se de uma reação irracional. Principalmente considerando os resultados da Telesp, principal empresa controlada no país pela companhia espanhola.
Ainda que os números da Telesp referentes ao segundo trimestre tenham, em geral, ficado abaixo das expectativas de muitos profissionais, eles foram bons. Mesmo com recessão e alta do dólar, a companhia apresentou, como se sabe, lucro líquido de R$ 183,2 milhões, sem que haja nada de importante a bloquear a sua expansão.
Ao contrário, as perspectivas são favoráveis, segundo avaliação da analista Jacqueline Lison, da Fator Doria Atherino. Depois de atingir as metas com a Anatel e eliminar a fila de espera, a Telesp pode se dar ao luxo de ser mais seletiva na concessão de novas linhas e privilegiar a venda de serviços adicionais. Isso significa redução de risco de inadimplência e aumento direto de receita.
A operadora está na liderança na oferta de acesso de alta velocidade à Internet em uma área que concentra 40% dos usuários do País. Ainda, após a derrubada da liminar da Embratel, a Telesp poderá desenvolver sua estratégia de ação em São Paulo, de onde se originam cerca de 40% das chamadas de longa distância (nacional e internacional). Vale lembrar que a empresa detém 80% do mercado de chamadas de longa distância dentro do Estado de São Paulo.
A estimativa de geração de caixa na operação é de R$ 5,1 bilhões, que podem ser parcialmente utilizados para reduzir dívida e financiar investimentos. Por fim, a empresa vai distribuir dividendos nos mesmos patamares de 2001.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top