OUTROS DESTAQUES
Análise
Ao votar contra, Anatel receberá seus créditos nas piores condições
quarta-feira, 20 de dezembro de 2017 , 02h23

Não se pode acusar a Anatel de ter sido passiva em relação à crise da Oi, já que pelo menos desde maio deste ano está buscando ativamente uma solução jurídica para os R$ 14,4 bilhões de créditos de multas da Oi junto à agência. A Anatel propôs uma Medida Provisória e até um Projeto de Lei, sem receber nenhum apoio do Planalto e da Fazenda, que permaneceram mudos e distantes do processo ao longo de todo o tempo. No  final, a ministra Grace Mendonça, da AGU, foi escalada para encontrar uma solução. A solução foi costurada e negociada com a empresa e com credores, mas esqueceram de respaldar o plano com algum instrumento legal viável. O parecer da ministra Grace só chegou para a agência alguns minutos após o horário previsto de início da Assembleia Geral de Credores, e mesmo assim sem nenhum respaldo jurídico consistente. A AGU, ao contrário, reiterou diversos argumentos pelos quais acreditava que as dívidas da Anatel não deveriam estar no bojo da RJ, e no final liberou a agência para votar como quisesse, "de acordo com o interesse público". A agência,  pressionada pelo Tribunal de Contas e sem disposição de correr riscos de responsabilização, na hora decisiva acabou então votando contra o plano de recuperação. Entendeu que isso era o melhor ao interesse público.

Ironicamente, a posição definida pelo conselho da agência acabou deixando os créditos da Anatel na pior condição possível de recebimento, junto com a vala comum de todos os demais credores que foram contrários ao plano de recuperação. Pelo menos R$ 6,1 bilhão de créditos da agência que ainda não estavam na AGU para serem inscritos na dívida ativa começarão a ser pagos apenas depois de 20 anos. Se tivesse aceito o acordo, esse dinheiro começaria a voltar em quatro anos. Após estes 240 meses de carência, o pagamento acontecerá em cinco anos, indexados pela TR, mas com juros pagos apenas ao final de tudo. Outros R$ 8,3 bilhões de créditos já estão na AGU e serão pagos ao longo de 20 anos como previsto no plano de recuperação.

Mas a Anatel sai aliviada da recuperação judicial porque, a despeito da enorme quantidade de crédito que tinha em mãos e ter votado contra o plano, a agência não foi a responsável pela falência da Oi, o que seria um cenário muito mais desastroso para o mercado de telecomunicações.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top