OUTROS DESTAQUES
Negócios
Preço que Telemar pode pagar pela Pegasus preocupa
segunda-feira, 15 de julho de 2002 , 19h29 | POR REDAÇÃO

A notícia de que a Telemar está interessada em aumentar sua participação acionária na Pegasus, divulgada oficialmente pela operadora na semana passada, preocupa alguns analistas no que concerne ao preço a ser pago. ?Estrategicamente é uma compra interessante para a Telemar, pois os backbones das duas empresas são complementares. A questão é quanto será pago?, comenta Alexandre Querne, da Máxima Asset Management. Segundo o jornal Valor Econômico, a operação poderia envolver entre R$ 300 milhões e R$ 400 milhões.
O temor tem fundamento: em janeiro de 2001, a Telemar adquiriu 17,28 % da Pegasus a um preço de R$ 100,4 milhões, valor que, segundo apuração do TELETIME News na época, correspondia a um ágio de 1.400 % em relação a investimentos feitos pelos acionistas da Pegasus apenas três meses antes, conforme ata da AGE realizada em 02/10/2000. Os acionistas da empresa, contudo, são os mesmos da Telemar, exceto pela ausência do BNDES, ou seja, La Fonte, Andrade Gutierrez, GP e Opportunity. Com a compra, na ocasião, a Telemar passou a ter 24,44 % da Pegasus. Segundo uma fonte ligada à operadora, a intenção agora é ter o controle da carrier de carrier, não sendo descartada a compra de 100 % da empresa.
Como Andrade Gutierrez, GP Investimentos, La Fonte e Opportunity são acionistas tanto da Pegasus quanto da Telemar, as preocupações com a transparencia do negócio são grandes.
A Telemar contratou os bancos UBS Warburg e Goldman Sachs para fazer a avaliação do valor da empresa, mas mesmo assim o mercado está atento para o preço que será estipulado e levará em conta o fato de que nos últimos 12 meses houve grande depreciação nos preços dos ativos de telecomunicações em todo o mundo, inclusive no Brasil.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top