OUTROS DESTAQUES
Balanço financeiro
Oi encerra 2017 com redução na receita
sexta-feira, 13 de Abril de 2018 , 00h29

No ano em que enfrentou uma tortuosa recuperação judicial, a Oi encerrou 2017 com redução de receitas, lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBTIDA) e na margem. Porém, a companhia destaca que as iniciativas da RJ e da busca da melhor eficiência operacional com a transformação digital já trouxeram impacto.

A Oi registrou no quarto trimestre de 2017 uma receita líquida de serviços de R$ 5,722 bilhões, uma queda de 5,4% no comparativo anual. No acumulado do ano, a companhia totalizou R$ 23,328 bilhões, recuo de 6,5%.

Dentro desse universo, a receita líquida residencial foi de R$ 2,269 bilhões nos últimos três meses, queda de 2%. Nos 12 meses, foi de R$ 9,171 bilhões, recuo de 2,2%. Já o de mobilidade pessoal foi de R$ 1,887 bilhões e R$ 7,645 bilhões no trimestre e no ano, respectivamente, com quedas de 2,9% e 2,6%. O segmento B2B foi novamente o que apresentou maior queda: 12,9% no trimestre, total de R$ 1,559 bilhão entre outubro e dezembro; e de 14,7% nos 12 meses, total de R$ 6,486 bilhões.

O EBITDA de rotina sofreu queda de 22,4% no trimestre e de 2,4% no ano, totalizando R$ 1,300 bilhão e R$ 6,190 bilhões, respectivamente. A margem EBTIDA de rotina caiu 4,9 pontos percentuais no trimestre e encerrou o período em 22,5%. No acumulado do ano, houve aumento de 1,1 p.p., ficando em 26,3%.

O fluxo de caixa operacional (EBTIDA de rotina menos Capex) foi negativo de R$ 535 milhões no trimestre, redução em 268,3%. No ano, foi positivo de R$ 560 milhões, uma queda de 64,6%.

A posição final de caixa da Oi em 2017 foi de R$ 7 bilhões, o que a companhia afirma estar em linha com as diretrizes do Plano de RJ. Para o final de 2018, o plano prevê caixa de R$ 6,188 bilhões.

O prejuízo líquido consolidado no trimestre foi de R$ 3,916 bilhões, contra R$ 4,808 bilhões em igual período do ano anterior. No acumulado do ano, foi de R$ 6,656 bilhões, contra R$ 8,206 bilhões em 2016.

Custos e investimentos

O Opex de rotina da companhia aumentou 1,1% no trimestre, ficando em R$ 4,482 bilhões. No acumulado de 2017, caiu 7,7%, totalizando R$ 17,367 bilhões. A companhia destaca que houve redução de custos em R$ 1,5 bilhão por conta da maior eficiência operacional no ano.

Já o Capex aumentou 35,1% no trimestre, total de R$ 1,835 bilhão; e 18,3%, fechando o ano com R$ 5,629 bilhões, com recursos centrados principalmente no core de rede e infraestrutura de acesso. O plano de Capex incremental financiado pelo aumento de capital prevê investimentos de R$ 7 bilhões por ano nos próximos anos.

A companhia espera a realização do aumento de capital no segundo semestre de 2018, embora o plano preveja que isso possa acontecer até 2019. Com isso, e após também o reconhecimento da RJ em outras jurisdições e execução da conversão de dívidas em ações no segundo trimestre, acredita que o ciclo de crescimento sustentável da empresa poderá enfim ter início. Esse movimento está fundamentado no controle de custos, rentabilidade da base e da infraestrutura e transformação digital. Da mesma forma, sustentam o EBITDA a receita incremental e o Capex incremental, com foco em FTTx na fixa e expansão do 1.800 MHz em 4G por meio de refarming e compartilhamento de rede.

A transformação digital foi um dos grandes pilares da Oi em 2017. Para 2018, a companhia pretende expandir soluções de dados avançados com foco em inovação, continuando iniciativas do ano passado, com soluções de analytics avançada e big data, bem como "novos modelos de negócio".

Operacional

A Oi encerrou o ano com 59,695 milhões de unidades geradoras de receita (UGRs) em sua base, uma queda de 6,1%. No residencial, eram 15,885 milhões (queda de 3,3%), divididos em 9,233 milhões de telefonia fixa (redução de 7,2%), 5,156 milhões de banda larga fixa (redução de 0,6%) e de 1,496 milhão de UGRs de TV paga (avanço de 16%). A ARPU residencial aumentou 5,3% e ficou em R$ 81,3.

Já em mobilidade pessoal, a Oi fechou 2017 com 36,648 milhões de acessos, queda de 8,1%. Desse total, 29,917 milhões eram pré-pagos (redução de 9,3%) e 6,731 milhões de pós-pagos (recuo de 2,1%).

No B2B, a companhia caiu 1,6% e encerrou o ano com 6,512 milhões de UGRs. Desse total, 3,641 milhões eram de telefonia fixa (queda de 3,2%); 543 mil de banda larga (recuo de 3,2%); 2,316 milhões de acessos móveis (aumento de 1,1%); e 12 mil em TV paga (queda de 9,6%).

A empresa ainda fechou o ano com redução de 0,4% nos telefones públicos, totalizando 640 mil.

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Erick disse:

    A Oi precisa investir forte em 4G e precisa da PLC 79 aprovada para voltar a crescer.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top